Alantra contrata novo head em Portugal para reforçar negócio da venda de crédito

Gestor vai liderar o escritório de Lisboa da consultora, com uma equipa de oito pessoas, que se tem especializado em transações de crédito para bancos, investidores e outras instituições financeiras.

A consultora espanhola Alantra tem um novo líder em Portugal. Manuel de Macedo Santos foi contratado, na semana passada, para desempenhar funções head da equipa de Credit Portfolio Advisory (CPA) da Alantra, em Portugal. A empresa financeira quer expandir não só a equipa, mas também o negócio no país.

Macedo Santos deixa, assim, a posição de diretor na área de banca de investimento da AXIA, onde estava há apenas sete meses. Antes disso, esteve cinco anos como senior manager na divisão de advisory e corporate finance na consultora Oliver Wyman. Com mais de 15 anos de experiência nas áreas de banca de investimento, consultoria estratégica e private equity no mercado Ibérico, vai substituir Carlo Savani, que passará a supervisionar o hub Internacional da
Alantra CPA.

O gestor vai liderar o escritório de Lisboa da consultora, com uma equipa de oito pessoas, que se tem especializado em transações de crédito para bancos, investidores e outras instituições financeiras. Além da assessoria à venda de carteiras de malparado do Novo Banco, aAlantra assessorou mais de 20 transações nos últimos três anos, contando com clientes como Santander Totta, Banif Banco de Investimento SA (BBI), Novo Banco e a private equity Cerberus.

“Estamos encantados por anunciar o reforço da nossa equipa em Portugal com esta contratação”, diz Andrew Jenke, managing partner da divisão de CPA, em declarações enviadas ao ECO. “O Manuel combina um percurso notável enquanto assessor financeiro de bancos, empresas e investidores em vários mercados europeus, com grandes capacidades do ponto vista técnico. Não tenho dúvidas que o Manuel é a pessoa indicada para continuar a expandir as capacidades e a presença da Alantra no mercado português“.

O grupo está presente não só na Europa, mas também nos Estados Unidos, América Latina e Ásia, contando com mais de 540 profissionais. No final do ano passado, tinha 2,3 mil milhões de euros em ativos sob gestão, a que acrescem 10,7 mil milhões de euros em fundos angariados em funds of funds, co-investments e secondary funds.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alantra contrata novo head em Portugal para reforçar negócio da venda de crédito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião