Covid-19: Chubb Ltd assume 1000 milhões de perdas no 2º trimestre, RC representa mais de 40%

  • ECO Seguros
  • 30 Julho 2020

As perdas líquidas relacionadas com a pandemia representam 77% do prejuízo líquido total estimado para o 2ª trimestre de 2020. Perdas em seguros de responsabilidade civil (RC) pesam 40,5% da fatura.

A Chubb Limited, seguradora global de propriedade e danos (P&C) presente em mais de 50 países, anunciou estimativa preliminar de 1,8 mil milhões de dólares (cerca de 1,6 mil milhões de euros) perdas brutas para o seu segundo trimestre (2ºT), quantificando o prejuízo líquido em 1 510 milhões de dólares, depois de impostos e do que tem conseguido recuperar do resseguro.

Em comunicado, a companhia refere que a pandemia COVID-19 representou globalmente um prejuízo líquido de 1 157 milhões de dólares (cerca de 1 024 milhões de euros ao câmbio corrente), a equivaler a 76,7% do prejuízo líquido total (1,37 mil milhões de dólares).

Outras perdas de catástrofes naturais ascenderam a 249 milhões de dólares depois de impostos, “principalmente atribuíveis a eventos climáticos graves nos EUA, bem como perdas civis não relacionadas com o clima”. Ainda, segundo a Chubb, os números do trimestre incluem 205 milhões depois de impostos, em encargos com processos relacionados com queixas de abuso de crianças nos EUA.

Os prejuízos associados à covid-19 “representam a melhor estimativa da companhia sobre perdas finais no negócio de seguros em resultado direto da pandemia e consequente crise económica”, nota a seguraora explicando que os prejuízos anunciados são líquidos dos reembolsos que tem conseguido obter junto de resseguradoras; descontam os prémios de resseguro e abrangem todo o seu negócio de segurador P&C (nos segmentos particulares e empresas), saúde e acidentes, seguros vida, bem com as operações de resseguro a nível global.

Decompondo a estimativa de perdas por impacto da pandemia, Chubb considera 605 milhões de dólares (antes de impostos) associados a cancelamentos de eventos de entretenimento, perdas de exploração, acidentes e saúde. Além destes custos, em parte inscritos como reservas de balanço – e na maioria incorridos em seguros P&C distribuídos através de linhas comerciais e de seguros para particulares, mas também em seguros viagem -, a Chubb estima 553 milhões em perdas relacionadas com coberturas de responsabilidade civil (RC) correspondendo a 40,5% do total das perdas diretamente associadas com a COVID-19 por via de seguros de trabalho e linhas profissionais como D&O (administradores e diretores), profissionais liberais e técnicos.

Às perdas em P&C e seguros profissionais, a Chubb somou 107 milhões de prejuízo potencial decorrente da exposição a seguros de crédito (garantias; risco político e créditos exportação).

Segundo esclarece a Chubb, parte substancial das perdas indicadas em responsabilidade civil e em produtos associados ao seguro de crédito são assumidas como contingência (incurred but not reported reserves), reforçadas ainda com provisão adicional de 100 milhões destinados a prevenir o grau de incerteza (justificada pelos efeitos covid-19) e que condiciona as estimativas de perdas em P&C e a exposição ao crédito, onde o risco subiu por causa da pandemia.

Ainda, de acordo com o comunicado da companhia liderada por Evan Greenberg (CEO), 71% das perdas tendo como causa as consequência da catástrofe sanitária decorrem da atividade comercial em ramos P&C no mercado norte-americano, enquanto os restantes cerca de 28% referem-se ao segmento de seguros gerais que a companhia opera no resto do mercado internacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Chubb Ltd assume 1000 milhões de perdas no 2º trimestre, RC representa mais de 40%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião