Produção industrial recupera da pandemia. Cai 15%

A produção industrial começou em maio a dar os primeiros sinais de recuperação e junho veio confirmar essa tendência. O índice caiu 15%, menos do que os 27% observados no mês anterior.

A produção industrial já tinha começado a dar sinais de recuperação na União Europeia e na Zona Euro, tendo esta tendência acentuado em território nacional no último mês. Depois da quebra de mais de 27% em maio, caiu 14,6% em junho, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). “Todos os grandes agrupamentos industriais apresentaram contributos negativos (…) mas menos expressivos que no mês anterior”.

“O Índice de Produção Industrial registou uma variação homóloga de -14,6%, inferior em 12,7 pontos percentuais à observada em maio”, lê-se na nota do INE publicada esta quinta-feira.

O contributo negativo mais intenso veio do agrupamento de Bens Intermédios, que caiu 16% face a junho do ano passado, embora também tenha apresentado uma melhoria face a maio, mês em que caiu 24,5%. Por sua vez, o agrupamento de Bens de Consumo desceu 13% (face aos -30,7% de maio), enquanto os agrupamentos de Bens de Investimento e de Energia caíram 16% e 13,9%, respetivamente.

Em termos mensais, o Índice de Produção Industrial registou uma variação mensal de 11,2% em junho (2,7% em maio), refere o INE, detalhando, contudo, que nesta análise “todos os grandes agrupamentos industriais apresentaram contributos positivos para a variação do índice total”, com destaque — “pela sua intensidade” — para o agrupamento de Bens de Consumo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção industrial recupera da pandemia. Cai 15%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião