Da correria da Assembleia da República ao descanso no sul do país. Jerónimo de Sousa vai de férias

Jerónimo de Sousa vai gozar férias no sul do país nas primeiras semanas de agosto. É uma tradição do líder comunista que a pandemia não colocou em risco.

Dos debates no Parlamento ao descanso no sul de Portugal. Nas primeiras semanas de agosto, o líder do PCP vai rumar ao Algarve para gozar férias. Apesar da pandemia de coronavírus, Jerónimo de Sousa cumprirá a sua tradição. Ainda assim, este ano, há alguns itens novos na bagagem do comunista, como a máscara. Isto uma vez que o político pretende cumprir “as medidas de proteção sanitárias” exigidas face ao atual surto de Covid-19.

“O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, gozará o seu período de férias entre o final de julho e as primeiras semanas de agosto, no sul do país como é habitual, tomando as medidas de proteção sanitárias ajustadas à situação atual”, explicou ao ECO fonte dos comunistas, no âmbito da rubrica “Eles vão de férias para…”

Esta não é a primeira vez que Jerónimo de Sousa escolhe o sul de Portugal para descansar, entre o final de julho e o início de agosto. No ano passado, o partido já tinha explicado à imprensa nacional que eram esses os planos do político. A pandemia de coronavírus não obrigou, portanto, nem a uma mudança de destino, nem de calendário, ainda que as medidas de proteção sanitárias este ano sejam diferentes daquelas adotadas nos anos anteriores.

O ECO também perguntou ao PCP que livro, álbum musical ou filme Jerónimo de Sousa levará consigo para estes dias de descanso, mas não obteve resposta. O último debate desta sessão legislativa aconteceu a 24 de julho, ficando os trabalhos parlamentares suspensos até ao início de setembro. O mês de agosto será, portanto, de férias, na Assembleia da República.

“Eles vão de férias para…” é uma rubrica de verão em que o ECO lançou o desafio a governantes, gestores e empresários para partilharem com os nossos leitores onde vão, ou foram, neste período de descanso. É publicada diariamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da correria da Assembleia da República ao descanso no sul do país. Jerónimo de Sousa vai de férias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião