Prolongar lay-off? Trabalhadores não podem ter cortes salariais “ad eternum”, diz Jerónimo de Sousa

"Não pode ser ad eternum que os trabalhadores tenham um corte dos seus salários e rendimentos", disse Jerónimo de Sousa, à saída de uma reunião com António Costa.

Jerónimo de Sousa não rejeita à partida um eventual prolongamento do lay-off simplificado, mas deixa claro que os cortes salariais implicados nessa medida não se podem manter “ad eternum” ou poderia estar em causa a “banalização de algo que é inaceitável”. À saída de uma reunião com o primeiro-ministro, o líder do PCP reconheceu, ainda assim, que há empresas “aflitíssimas” e sublinhou que é preciso defender o “aparelho produtivo” nacional.

Em resposta ao impacto da pandemia de coronavírus na economia nacional, o Executivo de António Costa lançou um pacote de apoios às empresas, incluindo uma versão simplificada do lay-off destinada aos empregadores mais afetados pelo surto. Ao abrigo deste regime, as empresas recebem da Segurança Social um apoio para o pagamento dos salários, que ficam reduzidos, no máximo, a dois terços dos ordenados originais. Ou seja, esta medida implica um corte na remuneração de, no máximo, 33%.

De acordo com as regras fixadas pelo Governo, o lay-off simplificado está disponível até ao final de junho, mas as confederações patronais já vieram exigir que a porta fique aberta por mais algum tempo (no mínimo, até ao final de setembro). O Presidente da República frisou que esta possibilidade deverá ser considerada, se o país tiver margem financeira para tal, e por sua vez o próprio Governo não rejeitou, à partida, essa extensão, não tendo, contudo, dado uma resposta direta à questão.

Esta é, de resto, uma das matérias que o Executivo quer discutir com os vários partidos e parceiros sociais, num momento em que prepara o Orçamento Suplementar.

A propósito, na reunião desta segunda-feira com o primeiro-ministro, o líder do PCP não ficou com “certezas em relação ao futuro do lay-off” simplificado.

Ainda assim, Jerónimo de Sousa sublinhou que os cortes salariais implicados no regime em causa não podem ser mantidos “ad eternum”. “É preciso ter esta dimensão de não tornar banal o que é inaceitável [que é] um trabalhador olhar para a frente e ver-se entre a espada e a parede, ou o desemprego ou salários cortados”, disse o comunista, que não deixou claro, por agora, se o prolongamento do lay-off simplificado poderia levar o PCP a não apoiar o Orçamento suplementar. “Mediante a proposta que o Governo apresentar, apresentaremos o nosso pronunciamento”, confirmou o mesmo.

Em declarações transmitidas pelas televisões, Jerónimo de Sousa sublinhou ainda que os apoios que vierem de Bruxelas face à crise pandémica não poderão ser acompanhados de imposições. “Estamos vacinados a ajudas acompanhadas de imposições, que não resultam”, rematou o deputado.

(Notícia atualizada às 12h56)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prolongar lay-off? Trabalhadores não podem ter cortes salariais “ad eternum”, diz Jerónimo de Sousa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião