Media Capital garante que não vai recorrer ao lay-off

  • ECO
  • 22 Maio 2020

A dona da TVI, a Media Capital, garante em comunicado que não vai recorrer ao regime de lay-off simplificado de forma generalizada.

A Media Capital, dona da TVI, garante que não vai recorrer ao regime de lay-off simplificado de forma generalizada, tendo apenas utilizado esse instrumento disponibilizado pelo Estado por causa da pandemia por um “curto período” na área de produção audiovisual (Plural) do grupo, “por total ausência de atividade”, a qual vai ser retomada.

“Para além desta área de negócio, nunca a Media Capital equacionou a hipótese de levar a cabo qualquer medida de lay-off, total ou parcial, nas restantes áreas relevantes da atividade do Grupo, TVI incluída”, afirma a empresa de media em comunicado esta sexta-feira.

A Media Capital garante que “foi sempre opção da empresa manter a atividade plena“, assinalando que “os acionistas e a administração estão totalmente focados e empenhados nestes objetivos”.

“O compromisso dos acionistas da Media Capital (Prisa e Pluris) com o mercado e com os profissionais que trabalham no Grupo é o de total envolvimento com o país e solidariedade com o esforço nacional que vem sendo prosseguido para vencer os momentos difíceis que atravessamos e com os profissionais que aqui trabalham”, acrescenta a empresa em comunicado.

A dona da TVI é o segundo grupo de media que mais vai receber do adiantamento da contratação de publicidade institucional do Estado ao encaixar 3,3 milhões de euros de um total de 11,25 milhões de euros destinado aos órgãos de comunicação social de caráter nacional.

O regime de lay-off simplificado permite suspender os contratos de trabalho ou reduzir a carga horária dos trabalhadores, que mantêm o direito a, pelo menos, dois terços do seu ordenado. No caso da suspensão do contrato, a Segurança Social transfere para o patrão 70% desses dois terços do ordenado, ficando o empregador obrigado a pagar apenas 30%. Já no caso da redução do horário, o Estado só comparticipa em 70% o valor necessário para que, em conjunto com a retribuição devida pelas horas mantidas, o trabalhador receba, pelo menos, os tais dois terços da sua remuneração.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Media Capital garante que não vai recorrer ao lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião