França com queda histórica no PIB de 13,8%

  • Lusa
  • 31 Julho 2020

O maior declínio trimestral do PIB francês antes da crise do coronavírus foi registado no segundo trimestre de 1968.

França registou uma queda histórica de 13,8% do seu Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre, devido à epidemia de coronavírus, anunciou o Instituto Nacional de Estatística e de Estudos Económicos.

A queda da atividade no segundo trimestre é, no entanto, menor do que a esperada pela maioria dos analistas e do próprio instituto, que no mês de junho estimavam que fosse de 17%.

O consumo das famílias, principal componente do crescimento, caiu 11%, os investimentos 17,8% e as exportações 25,5%.

“A evolução negativa do PIB no primeiro semestre de 2020 está ligada à cessação de atividades não essenciais no contexto da contenção implementada entre meados de março e início de maio“, explicou o instituto em comunicado.

“O levantamento gradual das restrições levou a uma recuperação gradual da atividade económica em maio e junho, após o ponto mais baixo atingido em abril”, pode ler-se na mesma nota.

O maior declínio trimestral do PIB antes da crise do coronavírus foi registado no segundo trimestre de 1968, afetado pela greve geral em maio, mas que foi seguida por uma recuperação de mais 8% no verão.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 667 mil mortos e infetou mais de 17 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França com queda histórica no PIB de 13,8%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião