Agente de seguros condenado a 9 anos de prisão nos EUA

  • ECO Seguros
  • 3 Agosto 2020

Autorizado desde 1989 a distribuir seguros Vida e produtos de poupança, um ex-agente foi julgado por delito criminal. Além da sentença de prisão terá de restituir 990 mil dólares aos clientes.

Gregory Oliver, de 61 anos, agora ex-agente de seguros em Milford, no estado de Ohio (EUA), licenciou atividade e iniciou negócio no final da década de oitenta, à frente da sua empresa (Oliver Financial Services). Defraudou a confiança de clientes e roubou-lhes dinheiro. Foi descoberto, teve licença revogada e levado à justiça.

Uma investigação das autoridades provou que, entre 2011 e 2018, Gregory reteve, apropriou-se de forma intencional e desviou para a sua conta pessoal, 1,1 milhão de dólares de, pelo menos 17 clientes, na maioria pessoas com mais de 65 anos, conta a edição eletrónica do jornal Cincinnati Enquirer.

Em dezembro de 2019, trinta anos depois de montar escritório, consolidar relações com diversas seguradoras e gerir as aplicações financeiras de muitos clientes, Oliver teve as licenças de agente profissional de seguros e a da atividade de mediação revogadas pela autoridade local de seguros (Ohio Insurance Department).

Além de desviar dinheiro dos prémios dos seguros dos clientes, depositando-o numa conta bancária pessoal, também forjou documentos falsos que submeteu às seguradoras para se tornar o beneficiário designado das apólices e das anuidades que lhe eram confiadas pelos aforradores.

Acusado de fraude, abuso de confiança e coerção, Gregory foi julgado e considerado culpado de seis crimes, roubo e outros delitos criminais, segundo veredicto ouvido em tribunal do condado de Clermont. Sentenciado e encarcerado na penitenciária local, enfrenta agora pena de nove anos em prisão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Agente de seguros condenado a 9 anos de prisão nos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião