Portugal em negociações com o Reino Unido para integrar corredores aéreos

"Estamos em contactos com o Reino Unido e a fornecer todas as informações solicitadas pelo Governo britânico", disse a secretária de Estado do Turismo.

Portugal está em conversações com o Governo de Boris Johnson para tentar entrar para a lista de corredores aéreos do Reino Unido, depois de ter sido excluído duas vezes, avança a Bloomberg(conteúdo em inglês), citada pelo Jornal de Negócios. A acontecer, os britânicos que viajem para terras lusas já não precisarão de fazer quarentena no regresso a Inglaterra, assim como os portugueses que viajem para território britânico.

“Estamos em contactos com o Reino Unido e a fornecer todas as informações solicitadas pelo Governo britânico”, disse a secretária de Estado do Turismo, em entrevista à agência de notícias. “Não temos certeza de quando a decisão será revertida, mas não vamos retaliar”, acrescentou.

Esta decisão do Reino Unido de não incluir Portugal na lista de corredores aéreos está a ser prejudicial para o turismo nacional, uma vez que os turistas britânicos têm bastante peso em termos de mercado. Foi uma decisão que caiu mal junto do setor e governantes, com o ministro dos Negócios Estrangeiros a classificá-la de “não fundamentada”.

Enquanto o Governo de Boris Johnson não mudar de opinião, todos os britânicos que viajarem para Portugal têm de fazer uma quarentena de 14 dias no regresso a Inglaterra, enquanto os portugueses que voem para Inglaterra têm de fazer o mesmo ao chegar ao país. “Não acreditamos que a quarentena seja a solução”, disse Rita Marques, na mesma entrevista, referindo que “as pessoas devem ser testadas e, se isso não for possível, devem cumprir as regras quando vierem para Portugal”.

Os critérios do Executivo britânico têm em conta apenas o número de casos, que tem sido mais elevado na região de Lisboa e Vale do Tejo. Contudo, estes números têm estado a melhorar nos últimos dias, o que aumenta a esperança de uma reversão da decisão. “Acreditamos que agosto e setembro serão meses fortes e, em outubro e dezembro, veremos como será”, disse a secretária de Estado, sublinhando que “a situação está sob controlo”.

Espanha também foi um dos países excluídos desta lista mas, de acordo com o ministro do Turismo espanhol, o Reino Unido poderá determinar o fim da quarentena para os viajantes que tenham estado nas ilhas Baleares e Canárias. Em entrevista ao canal La Sexta, Reyes Maroto disse que o Governo espanhol tinha enviado novos dados epidemiológicos para o Executivo britânico, esperando que as medidas de quarentena sejam revistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal em negociações com o Reino Unido para integrar corredores aéreos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião