Turismo no interior com maior procura do que em 2019

  • Lusa
  • 4 Agosto 2020

A secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, garantiu que o turismo no interior regista uma maior procura do que em 2019, algo que explica também com o efeito da pandemia.

O turismo no interior tem registado uma maior procura em relação a 2019, devido à pandemia da Covid-19, afirmou a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

Em contraciclo com os indicadores nacionais, o turismo no interior tem registado “uma procura muito relevante”, “ultrapassando os valores registados no ano passado”, disse Rita Marques, que falava à agência Lusa à margem de uma cerimónia em Coimbra.

De acordo com a governante, a procura turística, a nível nacional, diminuiu no contexto da pandemia, mas registam-se aumentos na procura do turismo da natureza, seja no Minho, Trás-os-Montes, Centro ou Alentejo. “As áreas mais fustigadas são Algarve, ilhas, as duas grandes cidades — Porto e Lisboa — e Évora”, acrescentou.

Apesar disso, Rita Marques realçou que os portugueses estão “a aceitar o desafio de viajar no território nacional”, tendo-se registando um crescendo da procura do turista interno durante este ano.

A secretária de Estado falava à agência Lusa no final da sessão pública de assinatura de sete contratos, no âmbito de projetos de Turismo Acessível, em Albergaria-a-Velha, Bombarral, Algarve, Óbidos e Coimbra. Na cerimónia, esteve também presente a secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes.

De acordo com o Ministério da Economia, foi aprovado o financiamento de dez projetos de Turismo Acessível, no âmbito do Programa Valorizar, com um incentivo de 1,4 milhões de euros para um investimento global de mais de 2,8 milhões de euros. No total, o 2.º aviso do Programa Valorizar recebeu 352 candidaturas, das quais 85 foram já aprovadas (24%).

De manhã, a secretária de Estado do Turismo esteve em São Pedro do Sul, numa sessão de assinatura de contratos de projetos de autocaravanismo. “Nós entendemos que o autocaravanismo é uma tendência mundial e temos que criar condições para em Portugal sermos líderes nesse setor de atividade”, afirmou a governante.

Para isso, Rita Marques realçou que o Governo está a trabalhar para criar mais infraestruturas para autocaravanistas, ao mesmo tempo que desenvolve uma plataforma para permitir reservas de noites em determinados locais autorizados para o aparcamento das autocaravanas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo no interior com maior procura do que em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião