BRANDS' ECOSEGUROS Cibersegurança. “Até ao final do ano, haverá 3 milhões de posições não preenchidas. É preocupante”

  • BRANDS' ECOSEGUROS
  • 7 Agosto 2020

Luís Martins, diretor de cibersegurança da Multicert, considera a falta de profissionais na área da cibersegurança um risco "preocupante" para as empresas.

A pandemia da Covid-19 veio acelerar o processo de transformação digital que já estava em marcha no tecido empresarial português. Mudaram-se processos, formas de trabalhar e de conectar, obrigando as empresas olhar para as suas próprias estruturas. A exigência em matéria de segurança é um dos pontos cruciais para qualquer organização e as perguntas “quando seremos atacados?” e “quais as nossas maiores vulnerabilidades?” devem estar no top of mind de todos os gestores.

Prevê-se que até ao final do ano, 4 biliões de dispositivos Internet of Things entrem online. Por outro lado, estima-se que este ano haverá 3 milhões de postos de trabalho por preencher na área da cibersegurança.

“É preocupante!”, considera Luís Martins, diretor de Cibersegurança da Multicert, em entrevista ao ECOseguros. Quais são, afinal, os principais riscos que as empresas enfrentam hoje em matéria de cibersegurança? E, no contexto da pandemia, o que já mudou ou deveria estar a mudar nas organizações em termos de proteção?

Com mais de 20 anos na área de Segurança da Informação, Luís Martins foi gestor na área de governação, risco e conformidade de IT (GRC), já liderou equipas de entrega e pré-venda, desenhou e implementou vários projetos ISO27001. Detém várias certificações e uma pós-graduação em Segurança da Informação, pelo Royal Holloway da Universidade de Londres, e experiência no terreno na implementação de vários projetos de grande dimensão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cibersegurança. “Até ao final do ano, haverá 3 milhões de posições não preenchidas. É preocupante”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião