Twitter e TikTok discutem possível “combinação”

  • Lusa
  • 9 Agosto 2020

As redes sociais Twitter e TikTok tiveram discussões preliminares com vista a uma eventual “combinação” entre as duas, segundo uma notícia revelada no sábado pelo Wall Street Journal.

Das informações obtidas pelo jornal não foi possível concluir se a negociação incluiria uma aquisição do TikTok, algo que, nesta fase, estaria repleto de obstáculos, tendo em conta o decreto presidencial da Casa Branca que impede a empresa chinesa proprietária da rede social de vídeos virais de realizar transações com companhias norte-americanas.

Questionadas pela AFP, ambas as empresas recusaram comentar a notícia.

O decreto foi assinado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na quinta-feira, proibindo todas as transações com a empresa ByteDance, no prazo de 45 dias.

Na segunda-feira, Trump tinha aceitado a possibilidade de um grupo norte-americano comprar o TikTok, mas antes de 15 de setembro, sob pena de proibir a plataforma. A Microsoft está em negociações com a ByteDance para negociar uma compra.

No entanto, o cofundador da Microsoft Bill Gates disse, numa entrevista à Wired publicada no sábado, que o TikTok seria “um cálice envenenado” para a empresa.

O Senado norte-americano também aprovou por unanimidade na quinta-feira um projeto de lei que proíbe o descarregamento e a utilização do TikTok em qualquer dispositivo emitido pelo Governo aos seus funcionários ou membros do Congresso.

“O TikTok é um grande risco de segurança e não tem lugar nos dispositivos governamentais”, escreveu o serviço de imprensa do senador republicano Josh Hawley, coautor do projeto de lei.

Após a sua passagem pelo Senado controlado pelos Republicanos, o projeto de lei terá ainda de ser aprovado pela Câmara dos Representantes da maioria Democrata antes de Trump o poder promulgar.

Na quarta-feira, o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, avisou que os Estados Unidos queriam proibir não só o TikTok mas também outras aplicações chinesas consideradas como um risco para a segurança nacional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Twitter e TikTok discutem possível “combinação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião