Qual a fruta mais produzida em Portugal? E o legume?

Laranja do Algarve é a fruta mais produzida em Portugal. O legume mais produzido é o tomate, que, apesar de ser uma fruta, é visto por muitos produtores e consumidores como tal.

Em Portugal, no ano passado, a laranja foi a fruta mais produzida e o tomate voltou a estar no topo das preferências ao distinguir-se como o produto agrícola mais produzido. A laranja é produzida essencialmente no Algarve e no Alentejo, enquanto a produção de tomate localiza-se entre a zona do Ribatejo, Oeste e Alentejo. Este último, apesar de ser uma fruta, é produzido como legume e comprado por muitos consumidores como tal.

Segundo dados provisórios do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 2019, foram produzidos mais de 357 mil toneladas de laranjas em território nacional, mais de 1,4 milhões de toneladas de tomate destinados à indústria e 103 mil toneladas de tomate direcionados ao consumo em fresco.

Os dados que o INE facultou ao ECO são provisórios, tendo em conta que os dados do ano passado ainda não estão apurados. “A informação definitiva das estatísticas da produção vegetal de 2019 terá necessariamente de integrar os resultados do recenseamento agrícola 2019, operação que ainda está a decorrer”, explica o INE.

Para muitos, o tomate é considerado um fruto, para outros é um legume, um dilema que baralha sempre os consumidores. Ainda assim, quase toda a produção de tomate para a indústria destina-se essencialmente aos mercados externos; já a produção de tomate fresco divide-se de forma igualitária entre Portugal e o estrangeiro. “Mais de 95% do tomate para indústria é para exportação.

No caso do tomate fresco metade da produção direciona-se ao consumo nacional e outra metade é para exportação”, conta ao ECO Domingos dos Santos, presidente da Federação Nacional das Organizações de Produtores de Frutas e Hortícolas (FNOP) e vice presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

O concentrado de tomate é exportado essencialmente para o Inglaterra e Japão. “Só estes dois mercados representam quase 70% das exportações de polpa de tomate”, explica Domingos dos Santos. Já o principal mercado do tomate fresco português é Espanha.

Segundo a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, Portugal tem, atualmente, um grau de autoaprovisionamento próximo dos 85%, sendo que a autossuficiência alimentar do tomate no país é de 175%.

Produção de laranja destina-se essencialmente ao consumo nacional

Contrariamente ao tomate, a produção de laranja destina-se essencialmente ao consumo nacional (60%), sendo que a exportação representa os restantes 40% da produção. “Em relação aos mercados externos, a laranja vai essencialmente para França, Espanha e Alemanha”, conta Domingos dos Santos.

Segundo a última campanha agrícola nacional 2018/2019, independentemente das condições meteorológicas desfavoráveis, a produção de laranja atingiu recorde, tendo em conta que há 33 anos que não se produzia tanta laranja como na última campanha agrícola.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual a fruta mais produzida em Portugal? E o legume?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião