E se as festas do futuro forem em realidade virtual?

Um magnata russo está a apostar milhões de dólares em como as festas do futuro serão em realidade virtual. Sensorium é já considerada uma das startups mais bem financiadas da área.

Bares e discotecas encerraram por todo o mundo, mas poucos ou nenhuns reabriram com o desconfinamento. Por serem espaços fechados e de maior proximidade e contacto físico, são também possíveis hotspots de propagação do novo coronavírus. Talvez por isso um magnata russo veja potencial em organizar festas em realidade virtual.

Segundo a Bloomberg, Mikhail Prokhorov é um dos investidores que injetaram 100 milhões de dólares na startup Sensorium desde 2018, controlando-a efetivamente. A empresa transmite concertos de DJs famosos em realidade virtual, criando festas virtuais numa espécie de galáxia digital, onde os visitantes podem aproveitar a música, mas também socializar e comprar acessórios para o seu personagem imaginário.

Prokhorov tem uma fortuna avaliada em 12 mil milhões de dólares, assente na empresa de metais MMC Norilsk Nickel. O magnata também tem interesses noutros setores, como o da energia, sendo o mais recente na Sensorium, já considerada um dos projetos de realidade virtual mais bem financiados em todo o mundo.

A tecnologia realidade virtual ainda não está totalmente madura, pelo que a aposta deste investidor é arriscada. Ao contrário de outros aparelhos, como os PC e smartphones, os óculos de RV estão muito menos disseminados. Porém, a plataforma é vista como uma área tecnológica com grande potencial, à medida que a economia vai tornando-se cada vez mais digital. Uma tendência que a pandemia da Covid-19 veio acelerar ainda mais.

A Epic Games, criadora do popular jogo Fortnite, é uma das parceiras da Sensorium. Sendo gratuito, o Fortnite tem disparado em popularidade nos últimos meses, gerando milhares de milhões de dólares em receitas graças às funcionalidades ou acessórios que é possível comprar dentro do videojogo. Steve Aoki e deadmau5 são exemplos de DJs que já deram festas virtuais dentro do Fortnite este ano, em plena pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E se as festas do futuro forem em realidade virtual?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião