Alerta da Fed arrasa bolsas europeias. Lisboa cai quase 1%

Depois de recuperar após quatro sessões em queda, a bolsa nacional volta a perder valor. Segue as quedas da Europa após ao alertas da Fed para o impacto da Covid-19 na economia.

Dia cinzento nas bolsas. Depois do alerta da Reserva Federal norte-americana quanto ao impacto da pandemia na maior economia do mundo, que pesou nas praças norte-americanas, as bolsas europeias estão em queda. Lisboa segue a tendência negativa, recuando quase 1%, com praticamente todas as cotadas a negociarem abaixo da “linha de água”.

Wall Street atingiu novos recordes, mas acabou por encerrar em queda com a Fed a revelar através das minutas da última reunião que espera um forte impacto da pandemia na economia dos EUA. Os receios quanto ao impacto da pandemia na economia mundial estão a levar as praças europeias a registarem quedas em torno de 1%.

Em Lisboa, a tendência é também de queda. Depois de ter interrompido as quedas na última sessão, a praça nacional volta a perder valor, com o PSI-20 a ceder 0,92% para os 4.367,27 pontos. Praticamente todas as cotadas recuam.

A pesar na bolsa nacional estão os títulos do setor energético, com a Galp Energia a perder 1,3% para os 9,204 euros, enquanto a EDP regista uma queda de 0,63% para 4,273 euros.

A liderar as quedas estão, contudo, os títulos das empresas de pasta e papel, mais expostas ao comportamento da economia mundial tendo em conta que a quase totalidade das suas receitas são obtidas nos mercados internacionais. A Semapa cai mais de 2%, enquanto a Navigator e a Altri recuam mais de 1,5%.

Nota ainda para as quedas de mais de 1% do BCP e da Jerónimo Martins, enquanto a Sonae recua 1,07% para 59,95 cêntimos, depois de ter revelado que desfez a parceria com Isabel dos Santos e passou a deter 33,45% da Nos. A operadora liderada por Miguel Almeida segue a cair 0,44% para 3,586 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alerta da Fed arrasa bolsas europeias. Lisboa cai quase 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião