Dívida do Reino Unido chega a 100,5% do PIB pela primeira vez

  • Lusa
  • 21 Agosto 2020

Dívida acumulada do Reino Unido atingiu os dois mil milhões de libras (2,2 mil milhões de euros) pela primeira vez no final de julho.

A dívida acumulada do Reino Unido atingiu os dois mil milhões de libras (2,2 mil milhões de euros) pela primeira vez no final de julho, representando 100,5% do produto interno bruto (PIB), segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Este número é 227.600 milhões de libras (254.001 milhões de euros) mais do que há um ano e situa a percentagem da dívida em relação ao PIB no valor mais alto desde março de 1961, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (ONS, na sigla em inglês).

O Reino Unido endividou-se para fazer face às fortes medidas tomadas pelo executivo britânico para ajudar os trabalhadores depois do confinamento em finais de março por causa da pandemia de Covid-19.

Perante a crise económica, o Governo aplicou um plano para ajudar as empresas a pagar os salários dos seus funcionários até 80%, o que custou aos cofres do Estado cerca de 60.000 milhões de libras (66.960 milhões de euros).

O ministro da Economia britânico, Rishi Sunak, disse hoje que a crise colocou “pressão significativa” nas finanças públicas e que tiveram que tomar medidas “para sustentar milhões de empregos, empresas e meios de subsistência”.

“Sem esse apoio, as coisas teriam sido muito piores. Os números de hoje são um forte lembrete de que temos, ao longo do tempo, de colocar as nossas finanças públicas numa posição sustentável, o que vai exigir a tomada de decisões difíceis”, acrescentou.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 787.918 mortos e infetou mais de 22,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

O Reino Unido é o país europeu com mais mortes causadas pela Covid-19 (41.403 mortos, mais de 322 mil casos).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida do Reino Unido chega a 100,5% do PIB pela primeira vez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião