Qual a principal fonte da eletricidade produzida em Portugal?

Nos primeiros seis meses, a hídrica liderou na geração de energia elétrica (36%), seguida da eólica (25%), gás natural (20%), cogeração fóssil (9,9%), biomassa (6,8%), solar (2,6%) e carvão (0,5%).

Desde 2005 que as famílias, as empresas e as indústrias não consumiam tão pouca eletricidade em Portugal. De acordo com os dados mais recentes da REN, de janeiro a julho deste ano a queda no consumo de energia elétrica foi de 4,3%. A variação negativa face a igual período do ano passado sobe para os 5%, com a respetiva correção de temperatura e dias úteis.

Consumimos menos energia, mas consumimos mais energia limpa, de fontes renováveis: no acumulado do ano, a produção renovável abasteceu 60% do consumo, repartida pela hidroelétrica com 28%, eólica com 23%, biomassa com 7% e fotovoltaica com 2,6%. Já a produção fóssil abasteceu 32% do consumo, praticamente apenas com gás natural, mantendo-se o carvão com produção reduzida, representando menos de 1% do consumo.

E se do lado do consumo a energia produzida nas barragens surge no primeiro lugar na lista de fontes da eletricidade que gastamos lá em casa, do lado da produção o cenário é igual. Nos primeiros seis meses do ano, a hídrica liderou na geração de energia elétrica (36%), seguida da eólica (25%), gás natural (20%), cogeração fóssil (9,9%), biomassa (6,8%), solar (2,6%) e carvão (0,5%).

Olhando especificamente apenas para o mês de junho, o carvão desapareceu entretanto do mix energético português, o gás natural disparou para os 30% da geração, o solar quase duplicou para os 4%, a cogeração fóssil chegou aos 11%, a biomassa aos 7,8% e a hídrica desceu a pique para os 22%, tendo em o menor índice de produtividade hídrica.

Fonte: APREN

Há um ano, no primeiro semestre de 2019, 15% da eletricidade produzida em Portugal ainda tinha como origem o carvão e a hídrica não ia além dos 19%.

Em maio, a associação ambientalista Zero deu conta do facto de a central de Sines praticamente não funcionar desde 26 de janeiro. A 14 de março foi a vez da central do Pego, da Trustenergy e da Endesa, desligar as turbinas. Tal não acontecia há 35 anos, desde que a central de Sines entrou em funcionamento no país. A EDP já avisou o Governo que quer encerrar Sines de vez em janeiro de 2021.

De acordo com a APREN, no mês de julho o carvão já voltou entretanto a ser usado para produzir energia em Portugal, sendo responsável nesse mês por 2,4% da geração.

No seu último boletim, a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN) revela que em Portugal Continental foram gerados 23.322 GWh de eletricidade acumulados entre janeiro e junho de 2020, dos quais 69,8 % foram de origem renovável. Ao mesmo tempo, o setor eletroprodutor renovável nacional evitou a emissão de 9,2 milhões de toneladas de CO2 desde o início de 2020.

No consumo, a APREN dá conta de uma redução de 8,8% em junho de 2020, relativamente a junho de 2019, tendo em consideração a correção de horas laborais e de temperatura.

Quanto custa fazer uma máscara? Quanto gasta cada família com as telecomunicações? Quanto cobra uma imobiliária para vender a casa? Ou qual a profissão mais bem paga do país? Durante todo o mês de agosto, e todos os dias, o ECO dá-lhe a resposta a esta e muitas outras questões num “Sabia que…”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Qual a principal fonte da eletricidade produzida em Portugal?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião