Fundo de 15 milhões ajuda empresas a investir em renováveis. Já tem 10 projetos agendados

A tecnológica portuense Ecoinside disponibilizou um fundo de capital próprio no valor de 15 milhões de euros para apoiar as empresas portuguesas na transição energética. Já tem 10 projetos agendados.

A Ecoinside, tecnológica especializada em soluções de energias renováveis, lançou um fundo de investimento no valor de 15 milhões de euros destinado a apoiar as empresas portuguesas na transição energética e na redução de consumo de energia elétrica. Já tem 10 projetos agendados.

O fundo agora inaugurado pela empresa portuense vai permitir que as empresas alberguem centrais fotovoltaicas que produzem eletricidade a partir de energia solar, nas suas instalações, para aí ser consumida.

Assim, a primeira empresa a beneficiar deste projeto é a Telbac, empresa de congelados, sediada em Amarante. Através da instalação de “mais de 1.100 metros quadrados de painéis fotovoltaicos”, a Telbac vai beneficiar de uma poupança gerada pela central que “se vai traduzir em cerca de três mil euros mensais”, explica a Ecoinside, em comunicado.

Contas feitas, a central fotovoltaica será responsável pela “produção de quase 32% das necessidades energéticas” da empresa de congelados, evitando que “mais de 51 toneladas de CO2 [dióxido de carbono] sejam lançadas, todos os anos, para a atmosfera”, o que equivale à plantação de “cerca de 780 árvores”, reforça a nota de imprensa.

“Este é o primeiro de muitos projetos que pretendemos desenvolver na área da produção energética sustentável, recorrendo ao fundo que criámos para todas as Pequenas e Médias Empresas (PME) que se pretendam juntar a nós na construção de um futuro mais verde e economicamente mais viável”, afirma António Cunha Pereira, CEO da Ecoinside.

Para o futuro, a tecnológica portuense tem já 10 projetos agendados que vão usufruir deste investimento, por forma a ajudar as empresas portuguesas a atingir as metas do Portugal 2030. Até à próxima década, Portugal deverá contar com 80% da sua energia a ser fornecida a partir de fontes renováveis e com uma redução de 50% das emissões de carbono.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de 15 milhões ajuda empresas a investir em renováveis. Já tem 10 projetos agendados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião