Emissões de CO2 já só estão 5% abaixo do período pré-Covid

À medida que os países desconfinam, as emissões de gases com efeitos de estufa têm acelerado e surpreendido os cientistas. Os níveis já só estão 5% abaixo da média registada em 2019.

A pandemia tem sido péssima para a economia, mas a paralisação vivida em todo o mundo fez suscitar a esperança de que talvez fosse possível controlar, finalmente, as emissões de gases com efeito de estufa. É, contudo, uma esperança volátil. À medida que os cidadãos vão desconfinando na generalidade dos países mais ricos e industrializados, as emissões de CO2 (dióxido de carbono) voltaram a acelerar.

Segundo estimativas de uma entidade que investiga e monitoriza a emissão destes gases para a atmosfera, o nível das emissões está já somente 5% abaixo da média registada em 2019. É uma recuperação que surpreendeu os cientistas e que é justificada, em grande medida, pela atividade industrial da China, que representa 1/4 da totalidade das emissões e cujo nível é já igual ao registado antes da pandemia, mas também pelo regresso dos automóveis às estradas e pela retoma da atividade económica em geral.

A informação foi noticiada esta quarta-feira pelo The New York Times (acesso condicionado), que recorda que a quase paralisação da economia mundial a partir de março levou a um recuo inédito nas emissões destes gases responsáveis pelo aquecimento global. À medida que os cidadãos de vários países foram incentivados a ficarem em casa, as emissões em abril chegaram a recuar para um nível 17% inferior à média de 2019.

Estes dados expõem aquilo que já tinha sido apontado por uma franja da comunidade científica: a emergência climática não desapareceu com o Covid-19 e continua a ser tão ou mais necessário reduzir as emissões de CO2 para a atmosfera como o era antes da pandemia. O CO2 é um gás com efeito de estufa, o que significa que, uma vez emitido para a atmosfera, é promotor do aquecimento global, flagelo que tem sido apontado como uma das principais ameaças à existência humana e de diversas espécies.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emissões de CO2 já só estão 5% abaixo do período pré-Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião