Emissões de CO2 caem 6% em 2020 por conta do Covid-19

  • Lusa
  • 23 Abril 2020

Para se alcançar a meta de limitar o aquecimento até ao fim do século, definida no Acordo de Paris, seria precisa uma redução de pelo menos 7% das emissões anuais durante as próximas décadas.

As emissões globais de dióxido de carbono deverão descer 6% este ano por causa da pandemia de Covid-19, mas isso não chegará para fazer recuar as alterações climáticas, afirmou a Organização Meteorológica Mundial.

“Poderemos assistir a uma queda de 6% das emissões carbónicas este ano por causa da redução das emissões provocadas pelos transportes e pela produção de energia”, afirmou o secretário-geral da organização, Petteri Taalas, em conferência de imprensa virtual a partir de Genebra.

No entanto, as concentrações de dióxido de carbono continuam altas na atmosfera, uma vez que aquele gás que provoca o efeito de estufa perdura durante centenas de anos, salientou.

Para se alcançar a meta de limitar o aquecimento até ao fim do século, definida no Acordo de Paris, seria precisa uma redução de pelo menos 7% das emissões anuais durante as próximas décadas.

No entanto, apesar da descida registada este ano, “para o ano as emissões poderão disparar novamente, à medida que a produção industrial procura compensar as perdas deste ano”, indicou Petteri Taalas.

A mesma “determinação e unidade” demonstrada a nível mundial no combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus precisa de nortear a luta contra as alterações climáticas, cujos impactos não vão passar no espaço de alguns anos, como poderá acontecer com a covid-19, salientou.

“A covid-19 provocou uma grave crise económica e sanitária a nível mundial. No entanto, se não se combaterem as alterações climáticas, a saúde dos humanos dos ecossistemas e das economias estará ameaçada durante séculos”, afirmou, no dia em que a OMM assinala o 50º Dia da Terra.

Petteri Taalas defendeu que é preciso “aplanar as curvas da pandemia e das alterações climáticas”.

Os sinais do impacto das alterações climáticas estão, por exemplo, no facto de o período entre 2015 e 2019 ter sido o mais quente desde que há registos.

A temperatura média mundial, que antes da era industrial era 14,4 graus, subiu para 15,5 graus. Duas décimas deste aumento verificaram-se desde 2010, segundo os números da OMM.

De acordo com os modelos de previsão climática, nos próximos cinco anos atingir-se-á uma nova temperatura média global recorde.

Quanto aos níveis de dióxido de carbono e outros gases poluentes na atmosfera, nos cinco anos mais recentes cresceram a um ritmo 18% superior do que se verificou nos cinco anos anteriores.

Tal como acontece em relação à pandemia, os países em desenvolvimento são os mais vulneráveis às consequências das alterações climáticas, como os fenómenos meteorológicos extremos, destaca a OMM.

As chuvas intensas e inundações criam condições para vários tipos de surtos epidémicos, como a cólera, estimando-se que 1,3 mil milhões de pessoas estejam em risco.

Só no continente africano, 40 milhões de pessoas vivem em pontos críticos para o aparecimento de surtos de cólera.

Do ponto de vista económico, fenómenos como os ciclones tropicais provocaram as maiores perdas económicas do período 2015-2019. O pior foi o furacão Harvey, que em 2017 levou a perdas de cerca de 125 mil milhões de dólares.

A nível global, segundo um balanço da AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou cerca de 178 mil mortos e infetou mais de 2,5 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 583 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 762 pessoas das 21.379 registadas como infetadas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram entretanto a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emissões de CO2 caem 6% em 2020 por conta do Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião