Covid-19: Conferência da ONU sobre alterações climáticas adiada para 2021

  • Lusa
  • 2 Abril 2020

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, escreveu no Twitter que foi uma "decisão dececionante, mas absolutamente correta, pois todos os países estão concentrados na luta contra o Covid-19.

A Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP26), prevista para novembro em Glasgow (Escócia), foi adiada para 2021 devido à pandemia do novo coronavírus, anunciou o governo britânico, citado pela agência AFP.

“Dado o impacto global e contínuo do Covid-19, não é possível manter a COP26 ambiciosa e inclusiva em novembro de 2020”, informou o governo britânico no seu site, acrescentando que a COP26 (formalmente conhecida como a 26.ª Conferência das Partes) realizar-se-á em 2021 em Glasgow, mas em data ainda designar.

A decisão de adiar a COP26 foi tomada pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, pela Grã-Bretanha e Itália, país que deveria acolher alguns eventos preparatórios.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, escreveu na rede social Twitter que foi uma “decisão dececionante, mas absolutamente correta, pois todos os países estão concentrados na luta contra o coronavírus”.

A Arena de Glasgow, que deveria receber o evento, foi apontada como o local escolhido para a instalação de um hospital temporário para pacientes com Covid-19.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, definiu como prioridade as alterações climáticas, mas o mandato da Grã-Bretanha no comando da conferência teve um início instável e atribulado, mesmo antes do surto da pandemia de Covid-19.

Em janeiro, Boris Johnson demitiu Claire O’Neill, uma ex-ministra que tinha sido nomeada, no ano passado, para liderar o evento e que foi substituída pelo Secretário de Estado para Negócios, Energia e Estratégia Industrial, Alok Sharma.

“Vamos continuar a trabalhar incansavelmente com os nossos parceiros para enfrentar a crise climática e estou ansioso por agendar uma nova data para a conferência”, afirmou Alok Sharma.

A secretária executiva da ONU sobre Mudança Climática, Patrícia Espinosa, afirmou que o novo coronavírus “é a ameaça mais urgente que a humanidade enfrenta atualmente”, mas contrapôs que ninguém deve esquecer que “a mudança climática é a maior ameaça que a humanidade enfrentará a longo prazo”.

A reunião em Glasgow deveria ocorrer cinco anos após o acordo climático de Paris, de 2015.

Os países que assinaram o acordo de Paris devem fornecer uma atualização sobre seus esforços para reduzir as emissões de gases com efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global.

Também os ativistas ambientais reconheceram que o adiamento faz sentido.

“Não faz sentido reunir pessoas de todos os países no meio de uma pandemia”, disse, Mohamed Adow, um participante de longa data em reuniões climáticas, que lidera o grupo de reflexão “Power Shift Africa”, citado pela AP,

Adow salientou, contudo, que o adiamento da conferência não deve impedir os países de tomar medidas para conter o aquecimento global, e sugeriu planos de retoma das economias em consonância com as preocupações ambientais.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 905 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 46 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 176.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas. Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Conferência da ONU sobre alterações climáticas adiada para 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião