Sacyr Somague lidera lista de propostas para construção do futuro Hospital de Lisboa Oriental

  • Lusa
  • 24 Agosto 2020

Sacyr Somague lidera a fase preliminar de análise e avaliação das propostas para a construção e gestão do novo Hospital de Lisboa Oriental, com uma oferta de cerca de 270 milhões.

O consórcio formado pela Sacyr Somague e Aberdeen lidera a fase preliminar de análise e avaliação das propostas para a construção e gestão do novo Hospital de Lisboa Oriental, com uma oferta de cerca de 270 milhões de euros.

De acordo com a Efe, que cita fontes do setor, o projeto deste consórcio ­- Tejo Infraestruturas Hospitalares (TIH) – prevê uma poupança de 40,7 milhões de euros durante os próximos 30 anos, uma informação que tinha sido avançada pelo jornal espanhol El Confidencial.

O consórcio posicionado em segundo lugar, nesta fase preliminar, prevê poupanças de 1,5 milhões de euros.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) disse que “nesta fase não há decisão sobre um vencedor”.

A ARSLVT “confirma que o júri do concurso público internacional para a construção e manutenção do futuro Hospital de Lisboa Oriental (HLO) em regime de parceria público-privada terminou a avaliação das propostas, mas a primeira fase do concurso também integra a audiência prévia e aprovação do relatório de avaliação por parte do Governo”, acrescentou a mesma fonte.

Neste momento “está a decorrer a audiência prévia dos concorrentes”, referiu. “Posteriormente, terá início a segunda fase do concurso – a fase de negociação com a short list das propostas aprovadas – que será decisiva para o apuramento do vencedor, concluiu a mesma fonte.

Na primeira análise preliminar e relatório de avaliação das propostas de concurso, “o júri destacou a poupança que o projeto apresentado pela Sacyr representa para o Estado português, que através da sua filial Somague apresentou um EPC (Engenharia, Aquisições e Construção, segundo a sua sigla em inglês) de 269 milhões de euros, contra 315 milhões de euros para a segunda proposta”, adianta a Efe, citando as mesmas fontes.

Em Portugal, a Sacyr Somague já participa em conjunto com o fundo Aberdeen na gestão de três hospitais que somam mais de 1.200 camas disponíveis: Hospital Vila Franca de Xira, Hospital de Braga e Hospital Ilha Terceira, refere a agência de notícias espanhola.

Contactada pela Lusa, fonte oficial da Sacyr Somague escusou-se a fazer comentários.

Em fevereiro do ano passado, a ARSLVT anunciou que oito empresas tinham apresentado propostas no concurso público internacional para a construção e manutenção do futuro Hospital de Lisboa Oriental: Servicios Hospitalarios CHUT; Agrupamento Hygeia; Alberto Couto Alves, SA; Tejo Infraestruturas Hospitalares (TIH); Ferrovial Agroman; SA, Ferrovial Serviços SA; Bastos, Amorim & Araújo – Consultoria e Trading, Lda; e Teixeira Duarte – Engenharia e Construções, SA.

O concurso público internacional em curso visa a conceção, construção e manutenção do Hospital de Lisboa Oriental, em regime de Parceria Público-Privada, a instalar em Marvila numa área total de 180.000 metros quadrados.

O novo hospital de Lisboa deverá estar construído em 2023 e terá uma capacidade mínima de 875 camas. O HLO vai representar para o operador privado um investimento total de cerca de 330 milhões de euros e, para o Estado, estima-se uma renda anual que poderá rondar os 16 milhões de euros durante os 27 anos do contrato, segundo a ARSLVT.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sacyr Somague lidera lista de propostas para construção do futuro Hospital de Lisboa Oriental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião