Portugal entra em contingência a 15 de setembro. Que restrições se podem aplicar?

O país vai ficar em situação de contingência em meados do próximo mês, para prevenir o agravamento do vírus no regresso às aulas e ao trabalho. As medidas específicas ainda não são conhecidas.

Depois de uma redução progressiva das restrições no país nos últimos meses, as medidas vão voltar a apertar. Portugal vai entrar em situação de contingência a partir de 15 de setembro, para preparar o combate à pandemia durante o outono e inverno, anunciou o Governo, esta quinta-feira. O que é que isto implica?

As medidas específicas que serão aplicadas a partir de 15 de setembro ainda não são conhecidas, sendo que serão apresentadas na semana que começa a 7 desse mês, altura em que regressam as reuniões na sede do Infarmed. Até lá, o país continua em estado de alerta e a Área Metropolitana de Lisboa (AML) em estado de contingência, mantendo-se as mesmas medidas que até agora vigoram.

O Governo decidiu colocar o país em contingência, o nível depois de alerta, de forma “preventiva”, para preparar o novo período de regresso às aulas e também ao posto de trabalho, para o caso de alguns, após o período de férias habitual de agosto e a chegada do outono, segundo explicou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

Enquanto o estado de sítio ou emergência é decretado por iniciativa do Presidente da República (e aprovados pela Assembleia da República), o estado de contingência, calamidade ou alerta é decretado pelo Governo. Entre os três últimos, sendo que a contingência indica um nível médio de risco.

Esta situação é regulada pela lei de bases da Proteção Civil e é acionada quando é “reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou medidas especiais de reação não mobilizáveis no âmbito municipal”. As forças da Proteção Civil são as responsáveis pelas operações nesta situação, sendo que quem se recusar a cumprir as ordens e orientações das autoridades neste âmbito incorre no crime de desobediência.

Uma das opções é que o Governo equipare as medidas em vigor na AML (que está em situação de contingência) ao resto do país. Estas são:

  • Limitação de dez pessoas nos ajuntamentos;
  • Proibição de consumo de bebidas alcoólicas em espaços ao ar livre.;
  • Proibição de venda de bebidas alcoólicas em áreas de serviço e postos de combustíveis;
  • Horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais podem ser alterados por decisão dos presidentes dos municípios;
  • Confinamento obrigatório domiciliário ou hospitalar para pessoas infetadas com Covid-19 ou sujeitas a vigilância ativa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entra em contingência a 15 de setembro. Que restrições se podem aplicar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião