Portugal regista mais 399 infetados com Covid-19 e dois mortos

  • ECO
  • 27 Agosto 2020

Lisboa e Vale do Tejo volta a concentrar o maior número de novas infeções, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Portugal registou 399 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 56.673 o número de infetados desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas morreram mais duas pessoas com a doença, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgada esta quinta-feira.

Entre os casos de infeção confirmados desde o início da pandemia, atualmente existem 13.507 ativos, mais 224 do que no dia anterior. Desde que apareceu em Portugal, no início de março, o coronavírus já provocou a morte de 1.809 pessoas. Já quanto ao número de recuperados, este continua a subir, situando-se nos 41.357 (mais 173 nas últimas 24 horas).

O tratamento no domicílio continua a ser o curso escolhido para a maioria das pessoas infetadas com o vírus. São 317 as pessoas que estão internadas (mais seis do que no balanço anterior), das quais 35 nos cuidados intensivos (menos três face a ontem). Há ainda 33.866 contactos sob vigilância das autoridades de saúde.

Boletim epidemiológico de 27 de agosto

Em termos regionais, Lisboa e Vale do Tejo volta a concentrar o maior número de novas infeções. Dos 399 novos casos confirmados nas últimas 24 horas, 186 foram registados em Lisboa (46,6% do total) e 161 no Norte (40,36%).

A região com mais casos até ao momento é, assim, Lisboa e Vale do Tejo (29.332 casos de infeção e 656 mortes), seguindo-se o Norte (20.291 casos e 846 mortes), do Centro (4.728 casos e 253 mortes), do Algarve (1.052 casos e 17 mortes) e do Alentejo (914 casos e 22 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 208 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 148 pessoas infetadas e continua sem nenhum morto.

(Notícia atualizada às 14h40)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal regista mais 399 infetados com Covid-19 e dois mortos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião