Avaliação das casas em novo máximo. Está nos 1.127 euros por metro quadrado

O valor mediano a que os bancos estão a avaliar os imóveis para efeitos de concessão de crédito à habitação subiu 12 euros em julho, com o metro quadrado a atingir os 1.127 euros.

O valor a que os bancos avaliam os imóveis para efeitos de concessão de crédito à habitação continua imparável mesmo em tempos de pandemia, tendo atingido um novo máximo em julho nos 1.127 euros por metro quadrado. Trata-se de uma subida de 12 euros face ao registado em junho. Em julho, porém, o número de avaliações bancárias caiu 15,9%, tendo ascendido a cerca de 20 mil.

“O valor mediano de avaliação bancária foi 1.127 euros em julho, mais 12 euros que o observado no mês precedente. Este valor representou uma desaceleração em termos homólogos, tendo a taxa de variação abrandado de 8,3% em junho para 8,0% em julho”, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira.

Com o registo de julho a atingir o valor mais elevado do histórico do INE, que se inicia em janeiro de 2011, os dados parecem confirmar a resiliência do mercado imobiliário de habitação em Portugal, apesar do efeito da pandemia de Covid-19 na economia que tem sido mitigado por medidas excecionais de apoio às empresas e famílias, como os esquemas de lay-off e de moratórias no crédito.

Embora as avaliações bancárias permaneçam no sentido ascendente, a pandemia trouxe uma redução drástica do número da avaliações bancárias às habitações no âmbito da concessão de crédito. “Note-se que no período em análise, o número de avaliações subjacente aos resultados apresentados diminuiu 15,9% face ao período homólogo, em resultado das variações homólogas de -33,7%, -8,8% e 0,6% nos meses de maio, junho e julho, respetivamente”, aponta o gabinete de estatísticas.

O INE adianta que foram realizadas cerca de 20 mil avaliações no mês de julho, um valor bastante abaixo do mesmo mês de 2019, mas que mostra já alguma recuperação face a junho (16 mil) e maio (19 mil).

Avaliação bancária das casas continua em máximos

Fonte: INE

Por regiões, o maior aumento face ao mês anterior registou-se no Norte (+1,4% para 996 euros), enquanto a maior redução foi observada no Alentejo (-3,5% para 829 euros), que continua a apresentar o valor mais baixo do país.

No Algarve e na Área Metropolitana de Lisboa, as duas regiões com as avaliações mais elevadas do país, registaram comportamentos diferentes em julho: no primeiro caso, houve uma descida nos valores na ordem dos seis euros, com o valor mediano do metro quadrado avaliado em 1.532 euros; no segundo caso, houve uma valorização de 11 euros para 1.488 euros.

No Centro e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira também se verificaram decréscimos acentuados.

(Notícia atualizada às 11h43)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Avaliação das casas em novo máximo. Está nos 1.127 euros por metro quadrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião