Prémio de seguros comerciais sobe 19% no segundo trimestre, revela índice global Marsh

  • ECO Seguros
  • 27 Agosto 2020

O valor de prémios de seguros comerciais cresce há 11 meses consecutivos, apontando pico trimestral de oito anos e com as linhas financeiras profissionais em acréscimo de 37% de abril a junho.

A média global dos valores dos prémios comerciais de seguro aumentou 19% no segundo trimestre de 2020, revela o mais recente Global Insurance Market Index, divulgado pela Marsh, líder global em consultoria de risco e corretagem de seguros.

A subida completa 11 meses consecutivos de aumentos, fixando agora a maior variação percentual desde que o índice foi lançado em 2012, reforçando a tendência na média anual de subida, de 14% no primeiro trimestre de 2020 e de 11% no 4º trimestre de 2019.

“Enquanto as flutuações de preços foram, este trimestre, impactadas por perdas relacionadas com o COVID-19, outras grandes perdas contribuíram para a pressão generalizada dos prémios. Enquanto os seguradores continuam a trabalhar em sinistros de danos materiais e de D&O, e com os custos associados ao COVID-19 ainda em desenvolvimento, a pressão ascendente sobre os prémios é antecipada no balanço anual de 2020”, afirma António Morna, Diretor de Placement da Marsh Portugal.

Como aconteceu no período de janeiro a março, os aumentos médios dos prémios foram impulsionados, principalmente, pelo crescimento das taxas de seguro de danos materiais e das linhas financeiras e profissionais. Entre conclusões do inquérito, o relatório da Marsh destaca, para as diferentes coberturas e geografias:

  • O índice composto global de prémios para danos materiais globais aumentou 19% e, nas linhas financeiras e profissionais aumentaram 37%, enquanto que as responsabilidades aumentaram 7%, em média;
  • Os índices globais de prémios no segundo trimestre aumentaram em todas as regiões geográficas pelo sétimo trimestre consecutivo;
  • As regiões dos Estados Unidos (18%), do Reino Unido (31%), da Europa Continental (15%) e do Pacífico (31%) registaram aumentos de dois dígitos nos prémios. O aumento de prémios registado nestas regiões deve-se largamente ao crescimento das coberturas em danos materiais e D&O (responsabilidade de administradores e gestores executivos).
  • Alguns mercados de D&O verificaram aumentos substanciais. Por exemplo, o crescimento em média dos prémios de D&O nas empresas públicas dos Estados Unidos foi de 59%, com mais de 90% dos clientes a assistirem a aumentos. No Reino Unido, os prémios de D&O aumentaram, em média, 100%. O mesmo sucedeu na Austrália, onde a ausência de concorrência resultou na escassez de capacidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prémio de seguros comerciais sobe 19% no segundo trimestre, revela índice global Marsh

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião