Reino Unido admite novas restrições perante segunda vaga

  • Lusa
  • 29 Agosto 2020

Se casos de Covid-19 voltarem a aumentar, "devemos recorrer a confinamentos muito extensos ou tomar outras medidas suplementares a nível nacional", diz o secretário de Estado da Saúde do Reino Unido.

O secretário de Estado da Saúde do Reino Unido afirmou não descartar a aplicação de novas restrições no país na eventualidade de uma segunda vaga da Covid-19 que, segundo um relatório do Governo, poderá matar 85 mil pessoas.

“Se os casos [de Covid-19] voltarem a aumentar, devemos recorrer a confinamentos muito extensos ou tomar outras medidas suplementares a nível nacional”, afirmou hoje Matt Hancock ao The Times.

O secretário de Estado da Saúde do Reino Unido estima que uma segunda vaga do novo coronavírus poderá ser “evitável”, mas que tal não será “fácil”.

“Aqui está o pior cenário razoavelmente previsível: uma gripe forte (dada a estação) e o aumento de casos de coronavírus, com as pessoas a passar mais tempo dentro de casa”, detalhou.

De acordo com um relatório do comité científico que auxilia o Governo a fazer face à pandemia, divulgado pela BBC na sexta-feira, a covid-19 pode vir a matar 85.000 pessoas no Reino Unido, entre julho de 2020 e março de 2021, tendo por base o “pior cenário razoavelmente previsível” referido por Matt Hancock.

Embora os dados possam estar sujeitos a uma “grande incerteza”, o documento aponta algumas restrições que poderiam ser reintroduzidas no país, como por exemplo, restrições de contacto entre pessoas de diferentes agregados familiares, sendo que essas medidas permaneceriam em vigor até março de 2021.

Em julho, um estudo da Academia de Ciências, encomendado pelo Governo de Boris Johnson, estimava que, este inverno, os hospitais britânicos pudessem atingir até 120.000 mortes.

O Reino Unido, o “país da Europa mais devastado pela pandemia” registou quase 41.500 mortes e mais de 331.000 casos positivos da covid-19, sendo que cada uma suas nações que constituem o país decide sobre as medidas a aplicar para lidar com a pandemia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido admite novas restrições perante segunda vaga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião