Inflação de agosto vai congelar rendas das casas em 2021

A estimativa preliminar mais recente do INE, referente a agosto, coloca a variação média dos preços (Índice de Preços do Consumidor) nos últimos 12 meses, excluindo a habitação, em -0,03%.

A inflação de julho já apontava neste sentido, mas a de agosto veio confirmar que as rendas vão ficar inalteradas no próximo ano, após cinco anos consecutivos a subir. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa média de inflação nos 12 meses terminados em agosto foi negativa, impedindo a atualização dos valores do arrendamento em 2021.

De acordo com a estimativa preliminar mais recente do INE, referente a agosto, a variação média dos preços (Índice de Preços do Consumidor) nos últimos 12 meses, excluindo a habitação, fixou-se em -0,03%. Está menos negativa do que estava no mês anterior (-0,04%), mas continua abaixo da “linha de água”.

Sendo assim, tendo em conta a fórmula de cálculo do coeficiente de atualização das rendas (os últimos doze meses até agosto do ano anterior), estas poderão manter-se nos valores atuais no próximo ano. O valor final da inflação será depois revelado em meados de setembro pelo INE, permitindo confirmar se as rendas ficarão, ou não, congeladas em 2021.

O coeficiente de atualização das rendas aplica-se tanto às rendas habitacionais — renda livre ou renda apoiada — como às não habitacionais (comerciais e industriais). Excluídos desta atualização ficam os contratos de arrendamento realizados antes de 1990, no caso dos habitacionais, ou de 1995, no caso dos não habitacionais, bem como os que se encontrem em processo de transição para o Novo Regime do Arrendamento Urbano.

A estabilização do valor das rendas acontece depois da subida de 0,51% das rendas registada este ano, do aumento de 1,15% em 2019, o de 1,12% em 2018, 0,54% em 2017 e de 0,16% nas rendas atualizadas em 2016. É preciso recuar até 2015 para encontrar um em que o valor das rendas habitacionais tenham ficado congeladas. Em 2014, o índice de preços excluindo habitação tinha sido negativo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inflação de agosto vai congelar rendas das casas em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião