Desemprego nos EUA cai e leva Wall Street de volta ao verde

Recuo na taxa de desemprego e expectativas de que uma vacina para o coronavírus seja conseguida mais cedo que o previsto estão a animar os investidores. Bolsas recuperam após fortes quedas de ontem.

A criação de emprego nos Estados Unidos abrandou, mas a taxa de desemprego acabou por ser mais baixa que o esperado, levando Wall Street de volta para terreno positivo esta sexta-feira. Após uma pausa no rally acionista durante a sessão desta quinta-feira, as principais bolsas norte-americanas voltaram aos ganhos, mas ainda arriscam fechar a semana no vermelho.

Os empregados gerados em agosto totalizaram os 1,37 milhões, abaixo dos 1,73 milhões criados no mês anterior, de acordo com o relatório do Labor Department. No entanto, a taxa de desemprego fixou-se em 8,4% dos anteriores 10,2% em julho, o que compara com uma projeção de 9,8% dos economistas consultados pela Reuters.

A par do recuo na taxa de desemprego, as expectativas de que uma vacina para o coronavírus seja conseguida mais cedo que o previsto têm animado os investidores. Esta sexta-feira, o Dow Jones sobe 0,62% para 28.469,55 pontos e o S&P 500 ganha 0,59% para 3.475,43 pontos.

O tecnológico Nasdaq arrancou a sessão no vermelho, mas inverteu e segue a somar 0,54% para 11.835,342 pontos. A recuperação segue-se a fortes quedas na última sessão causadas pelo alerta da Fed, no Livro Bege, e por novos dados económicos pouco animadores. Como Wall Street está fechado na próxima segunda-feira, esta será a última sessão antes do fim de semana prolongado em que os investidores norte-americanos estarão a celebrar o Labor Day.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego nos EUA cai e leva Wall Street de volta ao verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião