Inglaterra mantém Portugal nos corredores aéreos devido a baixa taxa de positivos

  • Lusa
  • 4 Setembro 2020

Critério privilegiado foi o número de casos que testaram positivo, "muito importante porque não queremos excluir países por fazerem o que está certo e fazerem muitos testes", disse ministro britânico.

O Governo britânico decidiu manter Portugal na lista dos países isentos de quarentena em Inglaterra devido à reduzida “taxa de positividade”, justificou o ministro dos Transportes, a propósito da diferença relativamente à Escócia e País de Gales.

Grant Shapps disse esta sexta-feira à BBC que o critério privilegiado foi o número de casos que testaram positivo, considerado “muito importante porque não queremos excluir países por fazerem o que está certo e fazerem muitos testes”.

Segundo o ministro, quando o Reino Unido incluiu Portugal nos ‘corredores de viagem’, há duas semanas atrás, o país tinha uma taxa de positividade de 1,8% e esta semana foi de 1,6%, uma tendência positiva.

Até agora, o Reino Unido tem privilegiado um outro indicador, o do número de casos positivos por 100 mil habitantes, acionando as restrições e entrada para a lista de países obrigados a cumprir quarentena de 14 dias quando o valor sobe acima dos 20 casos por 100 mil habitantes, o que terá acontecido em Portugal esta semana. Porém, admitiu que existe um “grande número de testes a ser realizado em Portugal e isso tende a aumentar os números”.

“Temos de olhar para a taxa de positividade, senão acabamos por castigar países que estão a fazer o que é correto”, vincou.

Já para o ministro da Saúde galês, Vaughan Gething, a situação em Portugal “é clara” pois existe um aumento na taxa [de infeção] em Portugal, em particular em áreas que as pessoas têm de atravessar para viajar, como Lisboa, cidade que muitos turistas também visitam.

“Tem um nível de risco em que normalmente tomamos decisões para introduzir quarentena e não penso que seria consistente não fazê-lo”, afirmou, também à BBC.

A razão para excluir Açores e Madeira, continuando a estar isentos de quarentena, “é porque têm uma classificação diferente e porque têm testes à entrada”, explicou.

O Reino Unido introduziu a necessidade de auto-isolamento por 14 dias a todas as pessoas que cheguem do estrangeiro ao Reino Unido em 8 de junho para evitar a importação de infeções com covid-19, mas um mês depois isentou cerca de 70 países e territórios, considerados de baixo risco. Portugal foi adicionado à lista dos países com ‘corredores de viagem’ para o Reino Unido a 22 de agosto.

Na quinta-feira, País de Gales e Escócia decidiram voltar a incluir Portugal na lista de países cujos passageiros têm de fazer quarentena à chegada dos respetivos países, com efeito desde as 4:00 de hoje no primeiro e a partir das 4:00 de sábado no segundo.

O governo galês decidiu também aplicar restrições a seis ilhas gregas e à Polinésia Francesa e Gibraltar, enquanto a Escócia exige quarentena sobre quem chega de qualquer parte da Grécia e Polinésia Francesa, mas não sobre Gibraltar.

Já o Governo britânico decidiu manter inalterada a lista que se aplica apenas, pelo que Portugal, Grécia, Polinésia Francesa ou Gibraltar continuam na lista de países dos ‘corredores de viagem’, isentos de quarentena na chegada a Inglaterra, opção replicada pela Irlanda do Norte.

Consciente do risco de confusão sobre o conselho dado aos viajantes, o ministro dos Transportes britânico admitiu ser “preferível” uma coordenação entre as diferentes nações do Reino Unido, mas lembrou que regras diferentes também foram aplicadas durante o confinamento.

“As administrações autónomas têm as suas próprias leis e as suas próprias regras e aplicam-nas. (…) Estou muito determinado e tento coordenar-me, umas semanas com mais sucesso do que noutras, com as restantes administrações para que possamos anunciar ao mesmo tempo e, idealmente, anunciar a mesma coisa”, disse Grant Shapps.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inglaterra mantém Portugal nos corredores aéreos devido a baixa taxa de positivos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião