Fusão CaixaBank-Bankia vai redefinir mapa ibérico de seguros

  • António Ferreira
  • 8 Setembro 2020

A eventual fusão entre os espanhóis CaixaBank e Bankia, por força de parcerias e acordos de distribuição envolvendo terceiros, leva à reconfiguração do panorama segurador na península ibérica.

A possível operação de fusão anunciada em Espanha entre o Caixabank e o Bankia terá reflexo no mapa concorrencial da atividade seguradora no mercado peninsular, dado que a o Caixabank é distribuidor exclusivo da sua subsidiária VidaCaixa líder ibérica no setor Vida, distribuindo também produtos e serviços da SegurCaixa Adeslas (ramo não Vida), detida em 49% pelo grupo CaixaBank e controlada pelo grupo Mutua Madrileña.

O Bankia acabou por confirmar (nos últimos minutos de 3 de setembro) que está em processo de análise da oportunidade de possível “operação estratégica,” depois das notícias avançadas pela imprensa espanhola, enquanto o CaixaBank confirmava, por seu lado (em comunicado à CNMV) a existência de um “acordo de confidencialidade” para troca de informação sobre a hipotética transação.

De acordo com uma nota do banco controlado pelo fundo espanhol de resolução do setor financeiro (FROB – Fondo de Reestructuración Ordenada Bancária), o Bankia indica que as conversas com a instituição catalã são do conhecimento (e têm aval) do conselho de administração do banco, ou seja, do Governo de Espanha. No mesmo sentido, a autoridade de resolução (Frob), enquanto entidade que representa os 60% que o Estado espanhol detém no Bankia, já anunciou que aguarda a apresentação de proposta em assembleia geral para a analisar e se pronunciar sobre o interesse da noticiada possibilidade de fusão com o Caixabank.

A VidaCaixa é líder ibérica em volume de prémios emitidos (2,34 mil milhões de euros e quota de 14% do mercado espanhol no final de março), sendo seguida do grupo Mapfre (cerca de 1,9 mil milhões e quota de 11,3%). Em terceiro lugar, segundo dados da associação ICEA está o grupo Mutua Madrileña (1,44 mil milhões, com 8,6% de quota), enquanto o grupo Allianz era quarto (cerca de 985 milhões, com 5,9%) e, em quinto da tabela, estava o grupo Catalana Occidente, com 873,7 milhões de euros e 5,23% de mercado.

Com o grupo Mapfre, que tem uma parceria com o Bankia no ramo ramo Vida, a assumir a liderança do setor em junho (em volume de prémios), e a Mútua Madrileña (parceira acionista da VidaCaixa na Adeslas), a posicionar-se como líder no negócio não Vida, é de prever que uma possível fusão entre as entidades bancárias implique uma reconfiguração do negócio segurador em Espanha, em particular tendo em conta que outros interessados (bancos e seguradoras) contam com acordos de produção e distribuição de seguros, alguns dos quais de âmbito ibérico.

A seguradora BPI Vida e Pensões pertence ao grupo VidaCaixa, emitiu prémios no valor de 830 milhões de euros em 2019 e é o quarto maior segurador no mercado português.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fusão CaixaBank-Bankia vai redefinir mapa ibérico de seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião