Investimento imobiliário encolhe 16% com a pandemia

  • Lusa
  • 8 Setembro 2020

Pandemia teve um “impacto muito significativo no mercado imobiliário”, sobretudo, nos setores de retalho e hotelaria, diz a Savills.

O investimento imobiliário caiu 16% no primeiro semestre, em comparação com o mesmo período do ano passado, para, aproximadamente, 1,7 mil milhões de euros, impactado pela pandemia de Covid-19, segundo um relatório da consultora Savills.

“No mercado português de investimento, o primeiro semestre de 2020 somou um total aproximado de 1,7 mil milhões de euros, sendo que 94% desse valor dizem respeito a transações fechadas ao longo do primeiro trimestre”, indicou, em comunicado, a Savills.

De acordo com a consultora imobiliária, só nos primeiros três meses do ano registaram-se 1,5 mil milhões de euros de investimento total excecional, quase metade do volume de investimento de 2018 e 2019.

Esta evolução é justificada com o fecho de grandes transações nos segmentos de retalho, escritórios e hotéis.

Assim, “comparativamente ao primeiro trimestre de 2020, o mercado registou uma quebra muito acentuada de 87% e face ao período homólogo de 2019 a descida cifrou-se nos 16%”, precisou.

Citado no mesmo documento, o head of country da Savills Portugal, Paulo Silva, notou que a pandemia teve um “impacto muito significativo no mercado imobiliário”, sobretudo, nos setores de retalho e hotelaria.

“Apesar da incerteza quanto a uma potencial segunda vaga e o controlo da mesma, há uma dinâmica importante a nível dos ativos de promoção que sublinha a confiança dos investidores com o médio/longo prazo”, acrescentou.

De janeiro a junho foram realizadas 25 transações, cinco delas correspondem à venda de portefólios de escritórios, retalho e hotéis num total de mais 1,2 mil milhões de euros, ou seja, 81% do volume total de investimento do primeiro semestre.

No entanto, face aos primeiros seis meses de 2019, o número de negócios fechados cedeu 19%.

A consultora sublinhou ainda que o capital estrangeiro “continua a ser dominante” no mercado português, representando 76% das operações fechadas, sendo que os investidores americanos lideram no que concerne ao maior volume de capital investido.

“Com a pandemia a atingir Portugal no final do mês de março, o ritmo de atividade do mercado de escritórios deu sinais de abrandamento significativo”, referiu.

Até março, o mercado de escritórios em Lisboa perdeu 24% face ao ano anterior, e o volume de ocupação situou-se nos 43.934 metros quadrados (m2) com o fecho de operações cujos processos já estavam a decorrer desde 2019.

Já no mercado do Porto, o volume de absorção cresceu 38% com “um começo de ano muito positivo”.

Por setor, o retalho foi o mais afetado pelo novo coronavírus levando a “uma descida significativa de preços”, enquanto o ‘online’ avançou potenciado pelo confinamento.

Entre janeiro e março, o volume de absorção deste segmento fixou-se em 139.519 metros quadrados (m2), sendo que 81% destes correspondem a renovações de contratos e 16% a novos contratos.

“O aumento do consumo de produtos pela via digital veio testar a capacidade de adaptação e resposta das empresas e operadores logísticos a esta nova realidade, obrigando retalhistas e fabricantes a fazer ajustamentos ao negócio”, considerou, citada no mesmo documento, a diretora de retalho da Savills Portugal, Cristina Cristóvão.

O impacto do comércio online poderá levar a uma redução da área das lojas físicas e a um aumento da procura por áreas maiores de armazenamento, estimou a consultora.

Por sua vez, no período em análise, o setor residencial sofreu quebras de 24% em Portugal continental, com os preços a baixarem, em média, 8%.

Porém, o alívio das restrições impostas durante a quarentena traduziu-se num aumento, em maio e junho, de 0,8% nos preços, neste mercado, e 11% no volume de vendas.

“A manutenção das taxas de juro em níveis muito baixos e a elevada disponibilidade de capital vão continuar a favorecer o investimento em ativos imobiliários. O impacto da pandemia irá influenciar de forma direta os ativos imobiliários”, concluiu a ‘market research associate’ da Savills Portugal, Alexandra Portugal Gomes.

O Savills Global Market Sentiment foi realizado em 33 mercados, entre 03 e 05 de junho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento imobiliário encolhe 16% com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião