E vão seis acordos. Comissão Europeia negoceia compra de vacinas contra a Covid-19 com a BioNTech-Pfizer

O contrato que a Comissão Europeia tem em vista com a BioNTech-Pfizer prevê a compra inicial de 200 milhões de doses da vacina.

O portefólio de vacinas para a Covid-19 da Comissão Europeia está a ficar cada vez mais completo, com o sexto acordo em vista. Bruxelas concluiu as negociações preliminares com a farmacêutica BioNTech-Pfizer para a compra inicial de 200 milhões de doses da vacina, em nome dos Estados-membros.

O negócio prevê também a opção de adquirir 100 milhões de doses adicionais, caso a vacina prove ser segura e eficaz contra a Covid-19, anunciou a Comissão Europeia, em comunicado. O contrato delineado prevê a possibilidade de os Estados-membros comprarem a vacina, bem como doar para países com menos recursos ou redirecionar para países europeus.

A BioNTech é uma empresa alemã que está a trabalhar com a norte-americana Pfizer para desenvolver uma nova vacina. “Esta é a sexta farmacêutica com a qual fechamos negociações ou firmamos acordo para potenciais vacinas, em tempo recorde“, sinalizou a presidente do Executivo comunitário, Ursula von der Leyen, citada em comunicado. “As probabilidades de desenvolver e implantar uma vacina segura e eficaz nunca foram tão altas, tanto para os europeus aqui em casa, quanto para o resto do mundo”, acrescentou.

A Comissão já negociou com a AstraZeneca, Sanofi-GSK, Johnson & Johnson, CureVac e Moderna. O primeiro contrato, assinado com a AstraZeneca, entrou em vigor a 27 de agosto, tendo, entretanto, a biofarmacêutica suspendido os testes da fase final da vacina que está a desenvolver contra a Covid-19, em parceria com a Universidade de Oxford, após uma suspeita de reação adversa séria num participante do estudo.

“Como parte dos testes globais controlados e randomizados em andamento da vacina de Oxford contra o coronavírus, o nosso processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança”, indicou a companhia em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E vão seis acordos. Comissão Europeia negoceia compra de vacinas contra a Covid-19 com a BioNTech-Pfizer

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião