Novas lojas, marca própria e entregas em casa são aposta do grupo Dia até 2023

O reforço da marca própria, novas lojas e a aposta no comércio eletrónico, são os principais objetivos assumidos pelo grupo Dia para o plano estratégico em curso até 2023.

Após um período financeiro conturbado, o reforço da marca própria, a abertura de novas lojas e a aposta no comércio eletrónico, são os três principais objetivos assumidos pelo grupo Dia, para o plano estratégico em curso até 2023.

Com a primeira fase de transformação completa, o presidente do grupo Dia, Stephan Du Charme, revelou esta quinta-feira, que o plano estratégico da empresa, em curso até 2023, vai passar por um novo conceito de loja, que prevê renovações, relocalizações e novas aberturas. Mas escusou-se a avançar mais sobre os “próximos passos”.

Além disso, a reestruturação passa ainda pelo reforço da marca própria, isto nunca esquecendo que a variedade é muito valorizada pelos consumidores, pelo que haverá uma “complementaridade” de marcas. “Estamos com o projeto de criar supergrams, de criar marcas nossas com qualidade. Mas também queremos trabalhar com marcas nacionais”, assinalou a diretora comercial da Dia Portugal, durante a conferência de imprensa desta quinta-feira, no Lagoas Park Hotel, em Oeiras.

Com 568 lojas de norte a sul do país — o que, segundo Miguel Guinea, presidente executivo do Dia Portugal, os torna “reis da proximidade” e que foi um fator importante no aumento de vendas durante o confinamento –, outro dos objetivos para lutar pela liderança é a “otimização do sortido” em loja, por forma a responder às necessidades de cada cliente.

Serviço de entregas vai chegar a Oeiras, Cascais e Amadora

O comércio online é também outras das apostas fortes da cadeia de supermercados Dia, já que, segundo Helena Guedes, “funciona muito bem”. Assim, a partir de 15 de setembro, os clientes da Amadora, de Oeiras e Cascais vão passar a poder fazer compras sem saírem de casa. Até agora, o serviço estava apenas disponível na cidade de Lisboa.

“Lançámos o e-commerce em julho e agora, é claro, vamos ampliar. Estamos na zona da cidade Lisboa e vamos ampliar na Grande Lisboa a partir de 15 de setembro e depois pelo país”, anunciou a diretora de marketing da Dia Portugal, acrescentado que a partir da próxima terça-feira, mais duas lojas vão cobrir “a zona toda da Amadora e Queluz”, bem como, a zona “toda de Oeiras e Cascais“.

Para já, a prioridade do retalhista é fornecer “um serviço de qualidade”, dado que este serviço é “muito bem trabalhado pela concorrência”, pelo que o alargamento para outras cidades ainda é uma incerteza. ” O que queremos fazer temos de fazer melhor do que a concorrência“, concluiu o presidente executivo da Dia Portugal.

Neste contexto, o Minipreço vai arrancar a partir da próxima terça-feira, com duas lojas para cobrir “a zona toda da Amadora e Queluz“, bem como, a zona “toda de Oeiras e Cascais”, acrescentou Helena Guedes.

Até agora, o serviço estava apenas disponível para zonas específicas de Lisboa. Funciona das 10h às 20h e tem entregas gratuitas em compras superiores a 50 euros. Além disso, o grupo que detém 568 lojas de norte a sul do país anunciou, em abril, uma parceria com a Glovo, estando para “breve” novas parcerias.

Em novembro do ano passado, o grupo “concluiu com sucesso” um aumento de capital de 605 milhões de euros. Nesse sentido, a empresa tem levado a cabo uma estratégia de reestruturação, depois de dificuldades que começaram em meados de outubro de 2018, quando reduziu as previsões de crescimento para esse ano e fez “ajustes” nas suas contas de 2017, devido à deteção de “irregularidades” não corrigidas, que foram muito penalizadas pelo mercado e resultaram na queda da sua cotação em bolsa.

De acordo com os resultados apresentados ao mercado, o grupo Dia reduziu os prejuízos no primeiro semestre de 418,7 milhões de euros para 187,7 milhões de euros, em termos homólogos, num período em que as vendas em Portugal aumentaram 6,4%, em grande medida impulsionadas pelo período do confinamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novas lojas, marca própria e entregas em casa são aposta do grupo Dia até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião