“Com significado, mas equilibrado.” João Leão baixa expectativas sobre aumento do salário mínimo

O ministro das Finanças aponta que a subida do salário mínimo nacional (SMN) tem de ter em conta a capacidade das empresas de suportarem a mudança. Modera expectativas sobre a medida.

O ministro das Finanças volta a sublinhar que tem de existir um aumento do salário mínimo nacional “com significado”, mas reitera que este tem de ser “equilibrado”. Sem querer adiantar valores, João Leão apontou que é necessário aliar a necessidade de aumentar os rendimentos à capacidade que as empresas têm de suportarem esta subida.

A subida do salário mínimo nacional no próximo ano “tem que ser um aumento com significado, mas também tem que ser equilibrado, que permita a setores mais afetados pela crise e que têm muitos trabalhadores com salários mínimos conseguirem fazer face“, defendeu João Leão à margem do Eurogrupo, em declarações transmitidas pelas televisões a partir de Berlim.

Se, por um lado, existe um compromisso com o aumento dos rendimentos dos trabalhadores com salários baixos, para “dar um sinal importante ao resto da economia e criar expectativas importantes nos trabalhadores”, também tem de existir um “compromisso com a capacidade das empresas de suportarem” esse aumento.

Questionado sobre valores específicos para este aumento, o ministro reiterou que “seria prematuro o Governo propôr nesta fase”, sendo que primeiro é necessário “auscultar parceiros sociais e promover diálogo na concertação”, apontou. Já na entrevista que deu, esta quarta-feira, à RTP 3, o ministro indicou que o aumento teria de ser abaixo do esperado porque o “mundo mudou”.

(Notícia atualizada às 18h15 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Com significado, mas equilibrado.” João Leão baixa expectativas sobre aumento do salário mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião