“Carteira de imóveis era má, velha e ilegal”, diz Ramalho

Ramalho diz que se manteve em silêncio até à conclusão da auditoria "por questões éticas", mas agora que este foi conhecido garante que vai esclarecer as dúvidas dos deputados.

António Ramalho diz que a carteira de imóveis que o Novo Banco vendeu a desconto era “má, velha e ilegal”. Foi assim que o CEO do banco começou por explicar a operação de alienação de ativos que herdou do Banco Espírito Santo (BES), na audição parlamentar que está a decorrer esta terça-feira na Assembleia da República.

O CEO do Novo Banco lembra que estava obrigado a vender ativos imobiliários. Era uma carteira “má, velha e ilegal”. Má porque eram sobretudo residencial, velha porque tinham imóveis com mais de 20 anos e ilegal porque o banco tem de vender os imóveis em dois anos. Se fizéssemos a venda caso a caso, demoraríamos 14 a 20 anos. A venda a pacote era inevitável“, apontou, recordando que também o BCP, a Caixa Geral de Depósitos, o BPI e o Santander fizeram estas vendas.

Esta foi a resposta às primeiras questões da audição. O deputado do PS João Paulo Correia se as “vendas ao desbarato” de ativos imobiliários estão a “lesar os interesses do Estado”, o que o banqueiro negou. O gestor rejeitou que o Novo Banco tenha vendido 13 mil casas a preço de saldo a um fundo com sede nas Ilhas Caimão, como noticiou o Público no final de julho. Explicou que eram oito mil casas e que o beneficiário último foram empresas portuguesas.

Ramalho diz que se manteve em silêncio até à conclusão da auditoria “por questões éticas”, mas agora que este foi conhecido garante que vai esclarecer as dúvidas dos deputados e voltará ao Parlamento sempre que as dúvidas subsistirem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Carteira de imóveis era má, velha e ilegal”, diz Ramalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião