Câmara do Porto quer apoiar 105 estabelecimentos comerciais com redução de renda

  • Lusa
  • 16 Setembro 2020

Apoio será dado através da redução em 50% do valor das rendas ou prestações aos estabelecimentos comerciais instalados em imóveis municipais ligados ao turismo.

A Câmara do Porto pretende reduzir em 50% o valor das rendas de 105 estabelecimentos comerciais instalados em imóveis municipais, ligados diretamente ou indiretamente ao turismo, contribuindo para atenuar os prejuízos causados pela covid-19.

Na proposta a que a Lusa teve acesso e que vai ser discutida na reunião do executivo de segunda-feira, a maioria liderada pelo independente Rui Moreira salienta que a pandemia está a provocar avultados prejuízos nos estabelecimentos ligados ao setor do turismo, tendo levado já ao encerramento de algumas unidades de pequeno comércio, restaurantes, cafés, quiosques e outros estabelecimentos.

Só no primeiro semestre de 2020, avança a autarquia, o número de dormidas em estabelecimentos de alojamento turístico na cidade diminuiu 66%, relativamente ao período homólogo de 2019.

Para o município, afigura-se assim benéfica para a futura continuidade dos respetivos negócios a concessão de um apoio através da redução em 50% do valor das rendas, ou prestações devidas de concessões de exploração, aos estabelecimentos comerciais instalados em imóveis municipais e cuja atividade económica esteja direta ou indiretamente relacionada com o setor do turismo.

A ser aprovado, o apoio estará em vigência entre 01 de outubro de 2020 e 31 de março de 2021, de forma a permitir que, “os agentes económicos do setor do turismo, possam ver atenuados os prejuízos e assim retomar com melhores condições a atividade económica no 2.ºtrimestre de 2021”.

No total vão ser apoiados 105 estabelecimento, num total de cerca de 279 mil euros. A maioria propõe ainda que se determina como orientação estratégica à Ágora – Cultura e Desporto, E.M., a adoção de medidas similares, relativas ao património imobiliário sob a sua gestão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara do Porto quer apoiar 105 estabelecimentos comerciais com redução de renda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião