Insurance Europe apoia princípio da ética voluntária na adopção de IA

  • ECO Seguros
  • 17 Setembro 2020

Regulação “horizontal, proporcional, baseada em princípios e riscos”, sem carga regulamentar desnecessária, ajudará ao desenvolvimento e adopção de Inteligência Artificial na indústria de seguros.

A Insurance Europe (IE), federação europeia de associações nacionais de seguros, acaba de assumir posição no âmbito de consulta da Comissão Europeia (CE) sobre “Requisitos Éticos e Legais para uma inteligência artificial (IA) de confiança na UE.” A IE sugere que, prevenindo excesso de carga regulatória, deve ser dado espaço a algum voluntarismo no campo da ética.

As seguradoras já estão a utilizar a IA para melhorar o serviço ao cliente, aumentar a eficiência, fornecer uma maior perceção das necessidades dos clientes e prevenir transações fraudulentas. Os clientes estão a abraçar a inovação em seguros, uma vez que ela responde às suas necessidades e torna as suas interaccões com as seguradoras mais convenientes, contextualiza o organismo europeu de interesse setorial em comunicado.

O quadro de regulação sobre a utilização de Inteligência Artificial (IA) existente na União Europeia já é “suficientemente vasto”, nomeadamente em relação aos direitos fundamentais, privacidade e proteção de dados, bem como nas vertentes de segurança e responsabilidade de produto,” assume a IE, acrescentando ainda que a legislação comunitária (diretivas e regulamentos) também é complementada por quadros regulamentares nacionais e setoriais.

No position paper que responde à consulta promovida por Bruxelas, a Insurance Europe diz acreditar que a opção da CE – baseada numa abordagem regulatória leve (soft law, non legislative approach) – “de facilitar e estimular a intervenção liderada pela indústria seria, portanto, a opção preferível e mais relevante.”

A entidade recorda que as certificações voluntárias têm-se revelado tradicionalmente “um meio eficaz de assegurar padrões elevados e transparentes (por exemplo, na área da segurança das TI)”. Da mesma forma, para promover a adoção da IA e evitar que tecnologias inovadoras sejam asfixiadas por regulamentação prematura, a utilização ética da IA deve, portanto, ser “o mais possível” apoiada por, e reforçada através de, “instrumentos voluntários e/ou não legislativos,” limitando-se a produção de nova regulação apenas ao necessário, para enquadrar risco elevado de aplicações concretas de IA.

Assim, um quadro (regulatório) “horizontal, proporcional, baseado em princípios e riscos”, resolvendo potenciais lacunas sempre que necessário, “ajudará a apoiar o desenvolvimento e a adoção de Inteligência Artificial “e evitar qualquer carga regulamentar desnecessária,” lê-se no formulário de resposta à consulta pública europeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurance Europe apoia princípio da ética voluntária na adopção de IA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião