CEO do BCP defende nova lei para financiar o Fundo de Resolução

  • ECO
  • 18 Setembro 2020

O CEO do BCP está contra o atual modelo de financiamento do Fundo de Resolução, considerando que a solução deveria passar por obrigar todos os bancos, incluindo sucursais de bancos estrangeiros,

Miguel Maya está contra o atual modelo de financiamento do Fundo de Resolução (FdR), considerando que a solução deveria passar por obrigar todos os bancos, incluindo sucursais de bancos estrangeiros, a contribuir, avança o Jornal de Negócios (acesso pago) esta sexta-feira. O presidente executivo do BCP defende que se um modelo com estas características viola o direito europeu, então a lei deve ser alterada.

“O correto seria criar condições para este mecanismo ser alimentado através de contribuições de todas as instituições que comercializam produtos financeiros a contribuintes portugueses. Isso diluiria o fardo e não criaria fortes distorções de concorrência”, disse Maya.

Estas declarações surgem numa altura em que o Governo e os partidos procuram alternativas para financiar o Fundo de Resolução, sendo que o presidente do Fundo, Máximo dos Santos, já descartou um modelo com as características reinvindicadas por Miguel Maya. Isto porque tal obrigaria os bancos a pagar três vezes: ao fundo de resolução do país onde estão sediados, ao fundo único europeu e ao fundo onde tenham uma sucursal. “Se alguma coisa está mal, que se mude”, diz em resposta o CEO do BCP, acrescentando que “não há leis que não possam ou não devam ser alteradas se dessa alteração resultar um benefício para a sociedade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO do BCP defende nova lei para financiar o Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião