Desde o início da pandemia, três em cada 100 mortes foram por Covid-19

Número total de mortes em Portugal foi de 57.971, entre o início de março e até ao final de agosto. A Covid-19 esteve na origem de 3% dos óbitos.

O número de mortes em Portugal desde o início da pandemia cresceu comparativamente à média dos anos anteriores. O total de óbitos ascendeu a 57.971, entre o início de março e até ao final de agosto, um aumento de 6.312 óbitos “face à média, em período homólogo, dos últimos cinco anos”, revelou o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) esta sexta-feira. Destes, 1.822 foram devido à Covid-19, ou seja, 3% do número total.

Os dados provisórios divulgados pelo gabinete público de estatísticas indicam, além disso, que a Covid-19 foi a causa de quase 29% do excesso de óbitos registado em Portugal no período entre 2 de março — data do primeiro caso identificado em Portugal — e 30 de agosto, isto é, da sobremortalidade relativamente à média.

É constatado ainda que o pico em termos do número de óbitos registado em Portugal foi atingido na semana entre 6 e 12 de abril, ocasião a partir da qual os números reduziram-se “gradualmente até ao fim do período de Estado de Emergência”, como explica o INE.

No final de maio, foi registado um novo pico na mortalidade, “retornando aos valores de anos anteriores” nas semanas entre 8 a 21 de junho. Mas foi em julho, na semana entre os dias 13 e 19, que a sobremortalidade relativamente à média do período homólogo atingiu o máximo, registando-se nessa altura um excedente de mortalidade de cerca de 800 óbitos.

Segundo o INE, o maior acréscimo no número de óbitos relativamente à média registada nos anos entre 2015 e 2019, ocorreu na região Norte, com exceção da última semana de junho e as primeiras de julho em que este acréscimo foi superior na Área Metropolitana de Lisboa.

No que respeita à caracterização por faixas etárias, é indicado que mais de 70% dos óbitos foram de pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos. Comparativamente com a média de óbitos observada nos períodos homólogos considerados, morreram mais 5.518 pessoas com 75 e mais anos, das quais mais 4.371 com 85 e mais anos.

(Notícia atualizada às 12h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desde o início da pandemia, três em cada 100 mortes foram por Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião