Zurich oferece às empresas resiliência face a alterações climáticas

  • ECO Seguros
  • 21 Setembro 2020

O grupo segurador suíço pretende “encorajar e apoiar” os clientes a tornarem-se “mais sustentáveis e a mitigarem os riscos" relacionados com as alterações climáticas.

O Zurich Insurance Group (Zurich) acaba de anunciar o lançamento do serviço “Resiliência às Alterações Climáticas,” com objetivo é ajudar as empresas a prepararem-se melhor para riscos actuais e futuros decorrentes das mudanças climáticas.

Beneficiando deste novo serviço – que complementa a oferta já desenvolvida e disponilizada pela Zurich para eventos naturais extremos (furacões e outros fenómenos) -, os clientes “podem mapear a exposição ao longo da sua cadeia de valor, para as suas operações globais ou regionais, locais específicos ou mesmo peças de equipamento vitais” na sua atividade.

Citada num comunicado da seguradora global, Gabrielle Durisch, responsável de Sustentabilidade para os Seguros Comerciais, explica: “Investimos em tecnologia e conhecimentos especializados para fornecer aos clientes conselhos e ferramentas à sua medida, para os ajudar a reforçar a sua resiliência e a prepararem-se para desafios futuros.”

À medida que empreende a sua “própria jornada” em práticas de sustentabilidade, um compromisso do grupo segurador alinhado com os limites definidos pelas Nações Unidas para o aquecimeno global, a Zurich pretende agora “encorajar e apoiar” os clientes a tornarem-se “mais sustentáveis e a mitigarem os riscos relacionados com as alterações climáticas“.

Além disso, reforça o comunicado, o novo serviço oferece soluções de mitigação e adaptação para estes riscos, que podem variar desde eventos meteorológicos, tais como incêndios, tempestades e inundações, até efeitos climáticos, incluindo a subida da temperatura e do nível do mar.

Citando dados do Relatório Global de Riscos do Fórum Económico Mundial (2020), reproduzindo preocupações de gestores de risco, a Zurich salienta que os cinco riscos mais prováveis de impacto para as empresas na próxima década são “todos ambientais”.

De acordo com o anunciado, o novo serviço dedicado a reforçar perspectivas das empresas na resiliência às mudanças climáticas “aborda estas preocupações, fornecendo uma vasta gama de soluções que vão muito além dos seguros e ajudando a proteger as empresas e os empregados,” assegura a companhia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zurich oferece às empresas resiliência face a alterações climáticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião