Marcelo vê Orçamento viabilizado à esquerda. Bloco central “não é solução duradoura”

O Presidente da República vê como "natural" que o Orçamento do Estado passe com os votos da esquerda, rejeitando um bloco central.

A cerca de dois meses da votação final global, o Presidente da República reitera que a sua maior preocupação é que o Orçamento do Estado seja viabilizado. Para Marcelo Rebelo de Sousa, é “natural” que seja viabilizado à esquerda, defendendo mesmo que um bloco central “não é solução duradoura”.

“O que é natural é que [o Orçamento] seja viabilizado à esquerda e não por outra solução, até porque é de considerar que o bloco central nem é solução duradoura nem é boa solução para equilíbrio do sistema político português”, argumentou Marcelo, em declarações aos jornalistas, transmitidas pelas televisões.

Marcelo recorda que já teve esta visão no Orçamento anterior, voltando assim a esperar um documento viabilizado pelos parceiros da última legislatura, sendo nomeadamente o que “resulta da posiçao do líder da oposição”. Esta é a esperança do Presidente, que leva a que exista “um Orçamento para entrar em vigor a 1 de janeiro do próximo ano”.

O Chefe de Estado considera que para o sistema político nacional estar em equilíbio, é “bom que haja uma solução de esquerda e uma alternativa de direita”, contexto que “evita radicalismos e extremismos”. Esta configuração, sublinhou, permite ter a “noção de que se uma solução conhecer dificuldades, há outra alternativa”.

Marcelo salientou ainda que é “fundamental” que o Orçamento seja viabilizado porque o Plano de Recuperação e Resiliência e o Quadro Financeiro Plurianual estão ligados a este documento. Quanto ao Plano, que esteve esta quarta-feira em discussão no Parlamento, o Presidente reitera que não se pode “correr o risco de perder dinheiro porque não é utilizado a tempo ou porque é mal utilizado”.

Já sobre a ideia sugerida pelo presidente do PSD, Rui Rio, de o Tribunal de Contas (TdC) realizar uma auditoria ao Novo Banco, Marcelo Rebelo de Sousa, recusou pronunciar-se. “Não me pronuncio sobre questões concretas. Sobretudo porque há outras soluções em cima da mesa que estão relacionadas com o Parlamento, comissões parlamentares de inquérito e com outras formas de auditoria, isso serão os senhores deputados, será a Assembleia da República e o Governo a ponderar e decidir”, disse.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo vê Orçamento viabilizado à esquerda. Bloco central “não é solução duradoura”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião