Direto Costa responde a Rio: vai prosseguir trajetória de aumento do salário mínimo

O primeiro-ministro explicou os planos do Governo para os próximos anos aos deputados. Em causa esteve a Visão Estratégica de Costa Silva e o Plano de Recuperação e Resiliência.

O Governo esteve na Assembleia da República esta quarta-feira para um debate temático sobre a Visão Estratégica elaborada por António Costa Silva. Este documento é a base de trabalho para o Plano de Recuperação e Resiliência que o Governo está a preparar para enviar à Comissão Europeia, sabendo-se já alguns pormenores. O Executivo discutiu esta tarde durante duas horas o futuro do país com os deputados.

De seguida, acontecerá um debate sobre o Conselho Europeu que estava agendado para esta semana, mas foi adiado para a próxima por causa da quarentena que o presidente da instituição, Charles Michel, terá de cumprir.

Um dos temas do debate, apesar de não constar do plano, passou pelo aumento do salário mínimo: de um lado, Rui Rio a criticar a opção do Governo; do outro lado, António Costa acusou Rio de querer baixos salários e de não ter ideias para o futuro do país.

Um tema comum a praticamente todos os partidos foi o da prevenção da corrupção e da fraude na gestão e implementação dos fundos europeus que chegarão nos próximos anos, cuja quantidade é bem superior à dos anos anteriores. O PSD pediu novas ideias para a prevenção e o Governo prometeu trabalhar nesse sentido, nomeadamente com legislação que está em debate na AR.

À direita criticou-se a falta de verbas para as empresas e o discurso ideológico sobre o papel do Estado enquanto à esquerda se defendeu o reforço da proteção social e do SNS. No final, o ministro do Planeamento, Nelson de Souza, considerou que é uma apreciação “muito limitada e redutora” que os partidos de direita digam que a maior parte dos fundos seja para a administração pública e não para as empresas.

Reveja aqui o debate:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa responde a Rio: vai prosseguir trajetória de aumento do salário mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião