MP instaura inquérito criminal contra presidente da Câmara de Pedrógão Grande

  • Lusa
  • 23 Setembro 2020

Procuradoria-Geral da República confirmou que já foi instaurado um inquérito criminal contra Valdemar Alves sobre as responsabilidades no grande incêndio de 2017.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou esta quarta-feira que já foi instaurado um inquérito criminal contra o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, sobre as responsabilidades no grande incêndio de 2017.

“Confirma-se a instauração de inquérito. O mesmo encontra-se em investigação”, afirmou a Procuradoria-Geral da República, em resposta à agência Lusa.

O Tribunal da Relação de Coimbra tinha decidido não pronunciar Valdemar Alves no processo sobre as responsabilidades do grande incêndio de Pedrógão Grande, que junta dez arguidos, por este ter sido constituído arguido a partir do requerimento de uma assistente que não o poderia fazer.

No recurso apresentado pelo Ministério Público à Relação de Coimbra, a procuradora Ana Simões questionava a legitimidade daquele requerimento pela assistente, mas assumia que havia indícios suficientes que permitiam responsabilizar criminalmente Valdemar Alves.

Após a decisão da Relação de Coimbra de não pronunciar o autarca, o Ministério Público anunciou em julho a intenção de abrir um inquérito contra o presidente da Câmara de Pedrógão Grande.

Na altura, a Procuradoria Regional de Coimbra referia que “o Ministério Público decidiu promover a extração de certidão, com vista à instauração, oportunamente, de inquérito criminal com esse objeto”.

A PGR confirma agora a instauração do inquérito contra Valdemar Alves, que, caso o processo não seja arquivado, será julgado então num processo autónomo.

No outro processo, vão a julgamento os então presidentes dos municípios de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, Fernando Lopes e Jorge Abreu (que se mantém no cargo), respetivamente; o na altura vice-presidente da Câmara de Pedrógão Grande, José Graça, e a então engenheira florestal do município Margarida Gonçalves; o comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut; o subdiretor da área comercial da EDP, José Geria, e o subdiretor da área de manutenção do Centro da mesma empresa, Casimiro Pedro; e três responsáveis com cargos na Ascendi Pinhal Interior: José Revés, António Berardinelli e Rogério Mota.

O incêndio, em junho de 2017, provocou a morte de 66 pessoas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MP instaura inquérito criminal contra presidente da Câmara de Pedrógão Grande

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião