Pandemia e condições do mercado segurador aceleram uso de cativas

  • ECO Seguros
  • 28 Setembro 2020

A utilização de seguradoras cativas, as detidas pelas segurados, para cobertura de seguros e maior flexibilidade financeira tem aumentado em resposta ao panorama segurador e a riscos mais complexos.

As restrições às condições do mercado segurador global durante o ano de 2019 conduziram a uma maior utilização de cativas, seguradoras detidas pelos segurados – como empresas – com um acentuado crescimento no volume de prémios em várias linhas de cobertura, aponta o estudo “2020 Captive Landscape Report: Captives Offer Value in Uncertain Times”, cujas conclusões a Marsh Portugal acaba de divulgar.

De acordo com a gestão de cativas da Marsh, em 2019, os prémios de cadeia de fornecimento, interrupção de negócio e da cobertura contingente de interrupção de negócio cresceram, em média, 283%. Os prémios de multirrisco de danos patrimoniais aumentaram, em média, 64%, induzidos pelos setores energético e instituições financeiras que viram os seus prémios all-risks de danos patrimoniais aumentar 151% e 104%, respetivamente, detalha a companhia de consultoria de risco e corretagem de seguros.

“A Marsh registou 76 novas empresas de seguros de cativas desde janeiro até julho deste ano, 200% acima do valor de 2019 para o período homólogo”, refere Ellen Charnley, presidente da Marsh Captive Solutions, citada em comunicado. “Embora nenhuma das novas cativas formadas tenha, até à data, cobertura de perdas relativas a uma pandemia, muitas organizações estão a utilizar as suas cativas para as ajudar a navegar através da pandemia global de COVID-19.”

“A flexibilidade financeira é uma das vantagem chave em ter cativas e, desde março de 2020, a Marsh conseguiu ajudar gestores a libertar 3 mil milhões de dólares das suas cativas para serem utilizados como recurso de liquidez a curto prazo, como é o caso dos empréstimos entre empresas, que conseguiram ajudar a dar resposta aos desafios de cash-flow causados pela pandemia”, conclui.

A companhia de seguros cativa constitui-se como ferramenta alternativa de risco preferida por empresas que pretendem manter um controlo dos seus riscos. As cativas são companhias de seguradoras e resseguradoras criadas para subscrever unicamente os seus próprios riscos. Atualmente existem variantes ao mercado tradicional de cativas que incluem o aluguer de cativas ou “células” (protected cell company).

A tendência para o grande aproveitamento de cativas continuou na primeira metade de 2020, no meio de crescentes e desafiantes condições do mercado segurador e do impacto global da pandemia de COVID-19, refere ainda o comunicado da Marsh Portugal.

Segundo explica a subsidiária da Marsh no Brasil, as seguradoras cativas “são uma fonte de grandes oportunidades, pois permitem não apenas a gestão dos riscos de forma muito mais eficiente, reduzindo o Custo Total do Risco (TCOR), mas também acelerar os objetivos de negócios: proporcionam segurança financeira às suas operações, mitigam a volatilidade de seu fluxo de caixa e facilitam o acesso ao capital”.

Os usos que podem ser dados às cativas são múltiplos: desde os programas tradicionais de riscos e responsabilidade civil até programas não convencionais como: Seguro de Crédito, Terrorismo, Risco Cibernético, Garantias Estendidas ou Cobertura de Benefícios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia e condições do mercado segurador aceleram uso de cativas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião