Fundos de pensões americanos processam Allianz por perdas de investimento

  • ECO Seguros
  • 29 Setembro 2020

A companhia alemã enfrenta processos judiciais de indemnização nos EUA por perdas em produtos de investimento, que as queixosas alegam ser responsabilidade da seguradora.

A Allianz é alvo de processos judiciais movidos por diversos fundos de pensões nos Estados Unidos porque, alegadamente, a seguradora alemã não preveniu “opções” para perdas de certas carteiras de investimento expostas às quedas abruptas do mercado, por efeito da pandemia, ao longo da primeira metade de 2020.

Segundo reporta a imprensa, em conjunto, as ações judiciais movidas contra a seguradora no tribunal de Nova Iorque alegam que os investidores perderam cerca de 4 mil milhões de dólares. Por conta deste litígio, a atuação da Allianz também é alvo de inquéritos da SEC (Securities and Exchange Commission).

Os queixosos – fundos de pensões de professores, camionistas e trabalhadores do setor de transportes da área metropolitana de Nova Iorque (MTA) – pretendem ser compensados por perdas significativas em ativos negociados nos mercados financeiros no período de forte volatilidade causada pelo impacto da Covid-19 nos mercados.

A companhia alemã assumiu posição afirmando que, embora “as perdas tenham sido dececionantes, as alegações são legal e factualmente inaceitáveis” e irá defender-se vigorosamente das acusações, cita a agência Reuters. Ainda segundo a seguradora, os queixosos são investidores profissionais, cientes de comprarem fundos com riscos proporcionais aos ganhos esperados para o produto.

O processo mais recente tem como alvo a unidade de gestão de ativos Allianz Global Investors, e foi movido pelo fundo de pensões da Metropolitan Transportation Authority (MTA). A empresa tem 70 mil funcionários e fez um investimento inicial de 200 milhões de dólares nos produtos financeiros.

Os outros processos, na generalidade relacionados com fundos de uma carteira (designada “Structured Alpha”), são assumidos por um fundo de pensões de professores do Estado do Arkansas, outro fundo de um sindicato dos camionistas e por empresas do grupo Blue Cross Blue Shield, que opera em seguros de saúde.

A investigação conduzida pela SEC continua e a Allianz está a cooperar no inquérito, indicam as mesmas fontes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundos de pensões americanos processam Allianz por perdas de investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião