Google e Governo lançam ferramentas para acelerar transição digital

O Governo português e a Google assinaram um protocolo para acelerar a transição digital com formação e foco no emprego, empreendedorismo e inteligência artificial.

O Governo português assinou um memorando de entendimento com a Google Portugal que visa a recuperação económica e a aceleração da transição digital. O protocolo debruça-se sobre as “competências digitais e empregabilidade, empreendedorismo e inteligência artificial” e assenta em novas ferramentas que já estão disponíveis para particulares e empresas.

O programa “Gow Portugal With Google” foi assinado pelo ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e pelo diretor-geral da Google Portugal, Bernardo Correia, com o intuito de acelerar a transição digital. “As sociedades que vão prosperar são aquelas sociedades que melhores forem capazes de fazer esta transição“, sinalizou Pedro Siza Vieira, aquando da assinatura do programa.

Entre as várias ferramentas anunciadas está um programa que facilita a procura de emprego no motor de busca da gigante tecnológica, ao abrigo de uma parceria com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). “Esta experiência já conectou mais de 10 milhões de pessoas a empregos em todo o mundo”, adiantou Helena Martins, head of policy da Google Portugal.

Outra aposta do protocolo é a formação. Segundo o ministro da Economia, “uma das áreas em que Portugal tem um caminho a percorrer é o das qualificações básicas” ao nível do digital. Por isso, serão também lançados vários programas nesse sentido, sendo que o objetivo é “alcançar é 32 mil pessoas em Portugal” este ano, sublinhou Helena Martins.

A partir de 6 de outubro avança o “Atelier Digital”. “Desde 2016, mais de 83.000 portugueses foram formados em competências digitais através do Atelier Digital – cursos online e presenciais em colaboração com o Conselho Coordenador dos politécnicos portugueses. Agora, a versão presencial do Atelier Digital foi convertido para o online, numa versão webinar com um total de dez sessões com dez politécnicos diferentes”, adiantam um comunicado citado pela Lusa.

Há ainda outros programas direcionados para as empresas. Neste caso, o objetivo é apoiar a “internacionalização da nossa economia, promovendo no fundo o posicionamento das empresas e garantido que estão a tirar potencial a partir do que o mercado lhes abre”, referiu André de Aragão Azevedo, secretário de Estado da Transição Digital.

Nesse sentido vai ser lançada também a ferramenta “‘AI for business check-up”, que pretende colocar a inteligência artificial ao serviço dos negócios, tendo em vista a melhoria da competitividade global. Podem consultar todos os programas aqui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google e Governo lançam ferramentas para acelerar transição digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião