O número “arrepiante” da Covid-19: já ultrapassou um milhão de mortos em todo o mundo

  • Lusa
  • 29 Setembro 2020

O mundo pode "superar este desafio", mas que para o fazer todos devem "aprender com os erros", alertou o secretário-geral das Nações Unidas.

O secretário-geral das Nações Unidas lamentou o “arrepiante” número de mortos provocados pela Covid-19, que já ultrapassou um milhão em todo o mundo, e exortou a sociedade a aprender com os erros para superar a pandemia.

“O nosso mundo deve lamentar hoje um número terrível: a perda de um milhão de vidas como resultado da pandemia da Covid-19“, disse António Guterres numa mensagem vídeo. “Eram pais e mães, mulheres e maridos, irmãos e irmãs, amigos e colegas”, recordou o responsável da ONU.

Guterres disse que embora o fim da pandemia ainda não esteja à vista, o mundo pode “superar este desafio”, mas que para o fazer todos devem “aprender com os erros”. “A liderança responsável é essencial. A ciência é importante. A cooperação é importante. A desinformação mata”, advertiu.

O português pediu a toda a população que faça o que puder para salvar vidas, incluindo manter a distância física, usar máscara e lavar as mãos, enquanto se espera por uma vacina. “Embora nos lembremos de tantas vidas perdidas, nunca esqueçamos que o nosso futuro depende da solidariedade: como povo unido e como nações unidas”, concluiu.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O número “arrepiante” da Covid-19: já ultrapassou um milhão de mortos em todo o mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião