BRANDS' CAPITAL VERDE Rethinking Sustainability: 1000 projetos para uma recuperação verde da Europa

  • BRAND'S CAPITAL VERDE
  • 29 Setembro 2020

A pandemia colocou as empresas perante novos desafios nas áreas da sustentabilidade e alterações climáticas. Quarto artigo da série de artigos “Rethinking Sustainability”.

A COVID-19 afetou mais de 12 milhões de empregos em toda a Europa, bem como milhares de empresas. Nos planos de recuperação económica elaborados – em debate durante o mês de setembro – importa assegurar o alinhamento desta recuperação com uma trajetória de neutralidade climática.

Para tal, tornou-se essencial identificar projetos verdes em desenvolvimento nos vários Estados-Membros para a identificação de pipeline de potenciais projetos. A iniciativa liderada pela EY para a European Climate Foundation permitiu a identificação e seleção de 1000 projetos para uma recuperação verde e resiliente da Europa. O estudo foi elaborado em tempo record (num espaço de quatro semanas), abrangendo os 27 Estados-Membros. A EY Portugal teve um papel ativo nesta iniciativa, contribuindo para a obtenção de insights setoriais e para a concretização da lista dos 1000 projetos a nível nacional.

Em linha com os objetivos e ambições do EU Green Deal, foram selecionados projetos verdes em desenvolvimento na Europa, “shovel ready”, de execução de curto prazo (24 meses), inseridos nos setores da Energia, Transportes, Edifícios, Indústria e Uso do Solo e que demonstrassem benefícios climáticos.

Beatriz Varela Pinto, Manager EY e Rita Amoedo Pinto, Consultora EY, ambas de Climate Change & Sustanaibility, Assurance Services

De uma forma sucinta, destaca-se o seguinte:

  • Os 1000 projetos selecionados representam um investimento de cerca de 200 mil milhões de euros, através do qual se prevê a criação de cerca de 2,8 milhões de postos de trabalho (cerca de 20% da perda de postos de trabalho a nível europeu devido à pandemia);
  • Os projetos identificados contribuem para a descarbonização da economia europeia. Na vertente climática, estima-se que 2,3 gigatoneladas de CO2 serão evitadas durante a vida útil dos 1000 projetos selecionados.
  • Foram identificados projetos em todos os Estados-membros. Face à dimensão das suas economias, França, Alemanha, Espanha e Itália lideram o número de projetos, embora os países da Europa Central e de Leste (Chipre, Croácia e Eslováquia) apresentem mais projetos per capita.
  • Na distribuição setorial dos projetos, o destaque vai para os setores da energia e dos transportes. A menor representatividade de projetos nos setores dos Edifícios, Indústria e Uso do Solo é explicada pelo caráter difuso da maioria dos projetos e a menor estruturação dos setores da Indústria. A relevância do setor da energia, com 70% das necessidades de investimento em renováveis, evidencia o dinamismo das políticas energéticas da União Europeia e Estados-Membros e a urgência da transição energética. Estima-se que os projetos identificados no setor da energia podem contribuir para a criação de cerca de 1 milhão de postos de trabalho a nível europeu (36% do total de empregos potencialmente criados através da execução destes projetos). No setor dos transportes e mobilidade sustentável, os projetos representam um volume de investimento de 87 mil milhões de euros, sobretudo em infraestrutura e aquisição de equipamentos. Os grandes investimentos necessários para a execução de projetos de ferrovias e linhas de metro levam a que uma parte destes projetos esteja associada a investimentos públicos estruturantes.
  • Portugal apresenta-se como o oitavo país comunitário com maior número de projetos selecionados (44 projetos identificados), particularmente no setor dos transportes (10% do total dos projetos identificados no setor do transporte a nível europeu). A representatividade nacional na iniciativa permite, em parte, traçar um quadro positivo para a recuperação verde do país, determinante para relançar uma atividade económica alinhada e alcançar a ambicionada neutralidade carbónica. Por outro lado, também denota a crescente preocupação e perceção face às políticas nacionais e internacionais para a concretização da neutralidade carbónica até 2050.

Poderá consultar aqui o sumário executivo da iniciativa “A Green Covid-19 Recovery and Resilience Plan for Europe”.

Por Beatriz Varela Pinto, EY Manager, e Rita Amoedo Pinto, EY Consultant, ambas Climate Change and Sustainability Services.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rethinking Sustainability: 1000 projetos para uma recuperação verde da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião