Turismo continua a recuperar em agosto com ajuda de residentes

Em agosto, o setor do alojamento turístico recebeu 1,9 milhões de hóspedes, menos 43,2% do que no mesmo período do ano passado.

Depois de uma recuperação que se iniciou em junho, a atividade turística no país continuou a melhorar em agosto, com algumas das restrições devido à pandemia levantadas e a ajuda dos residentes. Ainda assim, o número de hóspedes foi de 1,9 milhões, menos 43,2% do que no mesmo período do ano anterior, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quinta-feira.

As dormidas de residentes, que representam cerca de dois terços do total, caíram 2,4% no oitavo mês do ano, valor que compara com uma quebra de 30,8% em julho. No entanto, em algumas zonas do país chegaram mesmo a aumentar em relação ao ano passado. Foi o caso do Algarve (+9%), Alentejo (+4%) e Centro (+1,1%), segundo nota o INE.

Já no que diz respeito aos hóspedes, foram 1,3 milhões aqueles que moram em Portugal e decidiram fazer férias “cá dentro”. É uma queda de apenas 4,7% face ao ano passado, enquanto em julho o decréscimo foi de 31,9%. Por outro lado, o país apenas recebeu 589 mil turistas estrangeiros, menos 70,1% do que em agosto de 2019.

Apesar de já existir alguma retoma das viagens internacionais em agosto, o mês continuou a ser marcado por um decréscimo em todos os mercados emissores, ainda que menos pronunciada do que no mês anterior. Entre as maiores quebras encontram-se os visitantes da China (-92,5%) e dos Estados Unidos (-93,2%), dos países mais afetados pelo coronavírus.

Os principais mercados emissores de turistas para Portugal também registaram quedas avultadas. As dormidas de britânicos nos estabelecimentos de alojamento turístico recuaram 79,7%. De recordar que Portugal foi incluído nos corredores aéreos com o Reino Unido no final de agosto, no entanto, no início de setembro, voltou a sair da lista.

Mesmo com alguma retoma da atividade por esta altura, cerca de um quinto dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrados ou não registaram movimento de hóspedes em agosto, segundo o INE.

(Notícia atualizada às 12h05 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Turismo continua a recuperar em agosto com ajuda de residentes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião